Escolha as suas informações

França. Pessoas abaixo dos 55 anos que tomaram primeira dose da AstraZeneca vão receber segunda dose diferente
Mundo 09.04.2021

França. Pessoas abaixo dos 55 anos que tomaram primeira dose da AstraZeneca vão receber segunda dose diferente

França. Pessoas abaixo dos 55 anos que tomaram primeira dose da AstraZeneca vão receber segunda dose diferente

Foto: Jens Büttner/dpa-Zentralbild/dp
Mundo 09.04.2021

França. Pessoas abaixo dos 55 anos que tomaram primeira dose da AstraZeneca vão receber segunda dose diferente

Lusa
Lusa
Para esses casos a segunda dose administrada será de outra marca. No país vizinho, a vacina da AstraZeneca passou a estar apenas recomendada para pessoas acima dessa idade.

As pessoas com menos de 55 anos que receberam em França a primeira dose da vacina da farmacêutica AstraZeneca contra a covid-19 devem receber a segunda dose de outra vacina, afirmou o ministro da Saúde francês.


Portugal passa a recomendar vacina da AstraZeneca só para pessoas acima de 60 anos
O país junta-se assim a outros, na Europa, que já decidiram traçar limites e não administrar a vacina da AstraZeneca abaixo de certas idades por uma questão de segurança.

As declarações de Olivier Véran surgem antes do anúncio oficial sobre esta matéria, previsto para hoje.

“Vai ser confirmado hoje, é absolutamente lógico”, declarou Véran, frisando, porém, que o anúncio oficial caberá à Alta Autoridade da Saúde (HAS) francesa, que fará uma conferência de imprensa às 08:00 GMT (09:00 em Lisboa)

A HAS tinha suspendido o uso desta vacina em menores de 55 anos no dia 19 de março, devido aos raros casos de trombose detetados na Europa.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) reconheceu na quarta-feira uma ligação entre a administração da vacina e os casos raros de "coágulos de sangue incomuns associados a plaquetas", agora listados como "efeitos secundários muito raros".

Contudo, o regulador europeu sublinhou que os benefícios do uso da vacina ainda superam os riscos.

Na mesma conferência de imprensa, a EMA comparou o risco de formação de coágulos sanguíneos após a toma da vacina da contra a covid-19 da farmacêutica AstraZeneca ao da toma de contracetivos hormonais como a pílula.


AstraZeneca. Luxemburgo entre os países europeus com menos reações reportadas
O Grão-Ducado reportou à plataforma de vigilância farmacológica europeia 40 casos de reações adversas, em termos gerais, à vacina do grupo anglo-sueco, em mais de 21 mil pessoas que tomaram a vacina, até à semana de 29 de março.

“Um exemplo em que gostaria de atentar é [a relação entre] o uso do contracetivo oral combinado hormonal e os coágulos sanguíneos que ocorrem após a toma desses contracetivos, que são dados às mulheres que normalmente são saudáveis”, afirmou o Chefe do Departamento de Farmacovigilância e Epidemiologia da EMA, Peter Arlett.

Depois da polémica com os casos de trombose detetados em quem já tinha tomado a vacina da AstraZeneca, vários países decidiram traçar limites e não administrar a vacina da AstraZeneca abaixo de certas idades, por uma questão de segurança: 30 anos no Reino Unido, 55 anos em França, na Bélgica e no Canadá, 60 anos em Portugal, na Alemanha, em Itália e nos Países Baixos e 65 anos na Suécia e na Finlândia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.