Escolha as suas informações

França homenageia professor decapitado em 2020 por mostrar caricaturas de Maomé
Mundo 2 min. 15.10.2021
Terrorismo

França homenageia professor decapitado em 2020 por mostrar caricaturas de Maomé

Terrorismo

França homenageia professor decapitado em 2020 por mostrar caricaturas de Maomé

Foto: AFP
Mundo 2 min. 15.10.2021
Terrorismo

França homenageia professor decapitado em 2020 por mostrar caricaturas de Maomé

Lusa
Lusa
A homenagem a Samuel Paty é centrada hoje nas escolas e constitui "uma oportunidade para um tempo de reflexão e intercâmbio com estudantes”, de acordo com o ‘site’ Eduscol.

A França homenageia hoje e no sábado Samuel Paty, o professor de História e Geografia que foi decapitado há um ano na região de Paris por ter mostrado caricaturas do profeta Maomé numa aula.


França. A mentira da aluna de 13 anos que contribuiu para o assassinato do seu professor
Samuel Paty foi decapitado por um radical islamita, de 18 anos, após um vídeo no Facebook do pai da aluna contra o professor. Agora, a jovem confessou que não estava nessa aula.

A homenagem a Samuel Paty é centrada hoje nas escolas e constitui "uma oportunidade para um tempo de reflexão e intercâmbio com estudantes”, de acordo com o ‘site’ Eduscol, que fornece conteúdos educativos para professores em França.

O ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, disse na quinta-feira que as escolas “são livres de se organizarem” na homenagem.

“Pode tomar a forma de uma troca ou discussão. É uma oportunidade de falar sobre o lugar do professor, do conhecimento", disse o ministro, citado pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Samuel Paty, 47 anos, foi esfaqueado e depois decapitado em 16 de outubro de 2020, numa rua perto da sua escola em Conflans-Sainte-Honorine, uma comuna da região parisiense, quando regressava a casa.

O seu assassino, um refugiado checheno radicalizado de 18 anos, que foi morto pouco depois pela polícia, culpou-o de ter exibido caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão.


Homenagem em Paris ao professor decapitado em outubro de 2020 por ter mostrado cartoons de Maomé na sala de aula.
Parlamento francês aprova projeto contra "separatismo islâmico"
A iniciativa coincide com um momento de fortes tensões sociais no país, incluindo a decapitação de um professor em outubro de 2020, após ter mostrado caricaturas de Maomé nas aulas.

Quinze pessoas foram acusadas no caso, incluindo quatro jovens estudantes a quem o assassino deu dinheiro para que identificassem o professor e o pai de uma aluna que iniciou nas redes sociais uma campanha contra Paty.

O ministro da Educação avisou que os alunos que perturbarem a homenagem serão sancionados, numa referência ao que aconteceu dias após a morte de Paty, com centenas de violações de momentos de silêncio nas escolas.

Na quarta-feira, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, já tinha apelado aos prefeitos para estarem "totalmente vigilantes" durante esta homenagem, e mais particularmente "dentro e em torno das escolas".

O reitor e os imãs da Grande Mesquita de Paris prestarão a sua homenagem hoje de manhã, em frente à escola onde Samuel Paty ensinou, segundo a AFP.

Do lado dos professores, a secretária-geral da Snes-FSU, o principal sindicato do ensino secundário, disse que “há muita emoção” entre os docentes, que desejam “prestar homenagem com dignidade”.

No sábado, "na entrada do próprio ministério, será inaugurada uma placa que prestará para sempre homenagem a Samuel Paty", pelo primeiro-ministro, Jean Castex, e os pais e familiares do professor, disse o ministro da Educação.


França. Homenagem a professor assassinado provoca 400 incidentes com alunos
A homenagem realizada na segunda-feira nas escolas francesas ao professor Samuel Paty, assassinado por um 'jihadista' em 16 de outubro, provocou cerca de incidentes com estudantes, alguns dos quais terão de responder à justiça.

A família será recebida à tarde, no Eliseu, pelo Presidente Emmanuel Macron, que descreveu Samuel Paty como um "herói tranquilo" da República Francesa.

Ainda no sábado, será inaugurada uma Praça Samuel Paty em frente à Universidade Sorbonne, em Paris.

Em Conflans-Sainte-Honorine, está prevista a inauguração de um monumento sob a forma de livro.

O ataque de há um ano abalou uma França que lidava já com uma onda de ataques ‘jihadistas’ desde o início da década.

A morte de Paty também reacendeu debates apaixonados sobre liberdade de expressão, religião, secularismo e o direito de blasfemar.

Samuel Paty "estava à procura de uma forma de fazer as pessoas pensar", disse uma das suas irmãs, Gaëlle, ao jornal La Croix.

Mostrar as caricaturas de Maomé, as mesmas que foram a causa do sangrento ataque à redação de Charlie Hebdo em 2015, era para o professor "o ponto de partida de um debate", acrescentou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas