Escolha as suas informações

Fotogaleria. O dia em que as mulheres do Irão puderam ir ao estádio de futebol
Mundo 14 2 min. 12.10.2019

Fotogaleria. O dia em que as mulheres do Irão puderam ir ao estádio de futebol

Fotogaleria. O dia em que as mulheres do Irão puderam ir ao estádio de futebol

AFP
Mundo 14 2 min. 12.10.2019

Fotogaleria. O dia em que as mulheres do Irão puderam ir ao estádio de futebol

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Quarenta anos depois, a proibição foi levantada e as iranianas puderam ir ver um jogo ao vivo. Uma permissão conseguida por uma morte trágica. Saiba a razão e veja as imagens de alegria.

Já pensou se as mulheres do seu país, adeptas de futebol e que vibram com os seus clubes ou seleção, não pudessem ir ao estádio torcer pela sua equipa? Porque não podiam ver homens meio despidos? Os que correm atrás da bola.

Pois isso mesmo aconteceu durante 40 anos na República Islâmica do Irão.

Até quinta-feira passada, dia 10 de outubro de 2019, dia em que este país permitiu que as mulheres voltasse a entrar noum estádio de futebol para assistir a um jogo. Foi no estádio Azadi, em Teerão, e em campo estava a seleção nacional do Irão para uma partida com a seleção do Camboja, de qualificação para o Mundial da FIFA de 2022, no Quatar.

 Para o grande dia, cerca de quatro mil mulheres vestiram-se a rigor, com tudo a que tinham direito, as camisolas, as bandeiras, a cara pintada com as cores da sua seleção.

Felizes, tiraram selfies, fizeram a festa nas bancadas, mas numa parte só a elas destinada no estádio, e vigiadas por seguranças femininas.

 Ali a alegria foi geral, torceram pelos jogadores do seu país. O resultado saltou à vista: O Irão venceu o jogo por 14-0.

No estádio estavam cerca de 10 mil pessoas a assistir à partida. Quase metade eram mulheres. Um feito inédito desde há quarenta anos.

Proibição com 40 anos

Desde 1979 que as iranianas estavam proibidas de ir aos estádios de futebol. Segundo as autoridades do país, as mulheres deviam ser protegidas do ambiente masculino que ali se vive e não deviam ver homens meio despidos.

 Mas, no mês passado a FIFA pediu ao Irão para voltar a permitir que as iranianas assistissem nas bancadas aos jogos, em número decidido pelas autoridades locais.

A trágica morte de Sahar

Um pedido feito depois da morte trágica da jovem Sahar Khodayari, a 10 de setembro, que se imolou pelo fogo, em frente a um tribunal de Teerão, por ter sido presa ao ir assistir a um jogo de futebol.

A jovem iraniana Sahar.
A jovem iraniana Sahar.

A jovem estava detida desde março passado e ficou conhecida como “a menina de azul” devido às cores da sua equipa, o Esteghlal FC.  Tinha tentado ir ver um jogo da sua equipa disfarçada de homem. Mas foi detida.

A ida de Sahar ao estádio vestida de homem e que a levou à prisão.
A ida de Sahar ao estádio vestida de homem e que a levou à prisão.

Ferverosa adepta desta equipa, Sahar Khodayari podia ver a sua queixa retirada se tentasse deixar de ao estádio de futebol, mas ela recusou. Quis manter a sua luta pela permissão das mulheres iranianas poderem ir aos estádios.

A morte de Sahar provocou muitas críticas e sensibilizou estrelas do futebol e figuras conhecidas no Irão. Na quinta-feira passada, um mês depois da tragédia de Sahar, as mulheres puderam voltar a sentar-se nas bancadas e ver os jogos ao vivo.


Notícias relacionadas