Escolha as suas informações

Filipinas em alerta máximo. Tufão Kammuri fecha aeroporto internacional de Manila
Mundo 03.12.2019

Filipinas em alerta máximo. Tufão Kammuri fecha aeroporto internacional de Manila

Filipinas em alerta máximo. Tufão Kammuri fecha aeroporto internacional de Manila

AFP
Mundo 03.12.2019

Filipinas em alerta máximo. Tufão Kammuri fecha aeroporto internacional de Manila

Até às 23h da noite não aterram aviões em Manila. Há dezenas de escolas encerradas na capital das Filipas.

A passagem do tufão Kammuri, com rajadas superiores a 230 quilómetros por hora, obrigou ao encerramento temporário do aeroporto internacional de Manila, na segunda-feira à noite, informaram as autoridades.

"As companhias aéreas e as autoridades decidiram fechar o aeroporto internacional de Manila", disse o diretor do aeroporto, Ed Monreal.

O tráfego neste aeroporto deve estar suspenso entre as 11:00 e as 23:00 de hoje, explicou.

O tufão tocou terra, na segunda-feira à noite, cerca das 23:00 (15:00 em Lisboa), em Sorgoson, no sul de Luzon, a maior ilha das Filipinas, que tem 49 milhões de habitantes.

O Kammuri dirige-se para o sul de Manila, onde vivem mais de 13 milhões de pessoas e que neste momento recebe milhares de atletas para os Jogos do Sudeste Asiático, com algumas das provas a terem de ser canceladas.

Na segunda-feira, as autoridades tinham retirado dezenas de milhares de pessoas dos locais de residência. Na região de Bicol, que se encontra na trajetória do tufão, cerca de 340 mil pessoas saíram de suas casas para se refugiarem em escolas e em centros de acolhimento temporário, disseram os serviços de emergência das Filipinas.

Em algumas cidades, as escolas foram encerradas.

Os serviços meteorológicos filipinos alertaram para a ocorrência de aluimentos de terra, devido às chuvas intensas que acompanham a tempestade, e para ondas que podem atingir três metros de altura nas regiões costeiras mais afetadas.

Cerca de 20 tufões ou tempestades tropicais atingem todos os anos as Filipinas, causando centenas de mortos.

Lusa