Escolha as suas informações

Filho de Bolsonaro diz que via democrática não funciona
Mundo 2 min. 10.09.2019

Filho de Bolsonaro diz que via democrática não funciona

Filho de Bolsonaro diz que via democrática não funciona

Foto: AFP
Mundo 2 min. 10.09.2019

Filho de Bolsonaro diz que via democrática não funciona

"Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá", escreveu Carlos Bolsonaro nas redes sociais. Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil afirma que "não há como aceitar uma família de ditadores".

Primeiro foram as declarações esta segunda-feira de Carlos Bolsonaro que incendiaram as redes sociais e o instável clima político no Brasil e agora é a polémica visita de Eduardo Bolsonaro com uma arma na cintura ao hospital onde o pai está a recuperar de uma operação a uma hérnia. O deputado federal que poderá a vir a ser embaixador nos Estados Unidos exibiu a pistola nas redes sociais ao lado do presidente brasileiro. 

Mas são as afirmações de Carlos Bolsonaro que mais dão que falar. O vereador do Rio de Janeiro pelo PSL afirmou na segunda-feira que "por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer." Em seguida, escreveu: "Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!"

A declaração foi interpretada como um ataque à democracia pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e por parte das forças políticas do país que reagiram defendendo a atual sistema. Em resposta, o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, afirmou, ao jornal Folha de S.Paulo, que "não há como aceitar uma família de ditadores”. "É hora dos democratas do Brasil darem um basta. Chega", disse.

Santa Cruz já havia sofrido ataques de Jair Bolsonaro, em função da prisão e assassinato do seu pai Fernando Santa Cruz, em 1974, por agentes da ditadura militar. Em julho, o presidente disse que sabia como Fernando havia desaparecido e que o seu filho não ia "querer ouvir a verdade", o que levou ao protesto de diversos políticos e entidades.

O presidente da OAB acionou o Supremo Tribunal Federal. Questionado pela justila, Bolsonaro disse que não teve intenção de ofender e que se limitou a expor sua "convicção pessoal em função de conversas que circulavam à época".

Nesta segunda-feira, menos de duas horas depois da publicação de Carlos Bolsonaro, o Partido Social-Democrata Brasileiro também reagiu. Em nota, o partido afirmou que "figuras autoritárias insistem em transformações que não sejam pelas vias democráticas".

Os tucanos lembraram que, "por vias democráticas o brasileiro elegeu presidentes, apoiou impeachment dos que cometeram irregularidades [...], elegeu Bolsonaro e tirou o PT."

Em resposta às críticas de políticos e jornalistas, Carlos Bolsonaro reiterou as afirmações: "O que falei: por vias democráticas as coisas não mudam rapidamente. É um fato. Uma justificativa aos que cobram mudanças urgentes.  O que jornalistas espalham: Carlos Bolsonaro defende ditadura. CANALHAS!".


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.