Escolha as suas informações

Facebook. Russos voltam a ser "apanhados" em campanha de desinformação nos EUA
Mundo 2 min. 03.09.2020 Do nosso arquivo online

Facebook. Russos voltam a ser "apanhados" em campanha de desinformação nos EUA

Facebook. Russos voltam a ser "apanhados" em campanha de desinformação nos EUA

Foto: AFP
Mundo 2 min. 03.09.2020 Do nosso arquivo online

Facebook. Russos voltam a ser "apanhados" em campanha de desinformação nos EUA

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Facebook e Twitter identificaram e bloquearam uma rede de desinformação criada pela Rússia.

O Facebook e Twitter travaram uma campanha de desinformação liderada pela Rússia, com o intuito de espalhar propaganda nos EUA e na Grã-Bretanha com a ajuda de jornalistas freelancer, incluindo americanos.  

A referência às atividades da página com o nome "Peacedata" veio diretamente do FBI, anunciou a rede social, na passada terça-feira. "Peacedata" fazia-se passar por uma agência de notícias internacional, com uma visão mais à esquerda que o candidato Joe Biden. Um do argumentos mais usados nos textos era que o "Biden iria mover o Partido Democrata demasiado para a direita", segundo o The New York Times. 

Entre fevereiro e agosto de 2020, mais de 500 artigos foram publicados em inglês e mais de 200 em árabe, detalhou a empresa Graphika, com a qual o Facebook compartilhou os dados. A rede tinha 13 contas no Facebook e duas páginas. (Recorde-se que uma só conta pode administrar várias páginas na plataforma)

"Os russos estão a esforçar-se mais para se esconderem", disse Ben Nimmo da   Graphika. "Mas eles ainda estão a ser descobertos". O grupo-alvo da campanha eram principalmente utilizadores de esquerda do Facebook. Os tópicos dos artigos eram, entre outras coisas, a interferência dos EUA noutros países, a corrupção e o lado negro do capitalismo. Pessoas inventadas foram apresentadas como editores, adianta a Graphika. Os rostos nas fotos de perfil podem ter sido gerados através da inteligência artificial.


Microsoft lança novas ferramentas para evitar criação de ‘deepfakes’
A Microsoft lançou novas ferramentas para detetar e evitar a criação de ‘deepfakes’, as montagens de vídeo ou fotos que manipulam a verdade.

A história repete-se

O Facebook colocou a rede em contacto com a Agência de Pesquisa da Internet com sede na Rússia. As eleições presidenciais dos EUA acontecem em novembro. 

Bill Russo, porta-voz da campanha de Biden, disse que a atividade russa era "a prova de dois factos imutáveis: A Rússia está a tentar interferir nas nossas eleições em nome de Donald Trump, e a plataforma do Facebook é um vetor chave para estes esforços". "A recusa do Presidente Trump em pronunciar-se contra a interferência russa torna ainda mais importante que o Facebook faça mais para impor as suas regras e assegurar que a sua plataforma não possa ser utilizada para corroer os alicerces da nossa democracia", disse Russo.

Antes da eleição presidencial de 2016, de acordo com os serviços de inteligência dos EUA e empresas online, o Facebook desempenhou um papel central nas tentativas de aprofundar as divisões políticas nos EUA e criar vantagem para o então candidato - e atual Presidente - Donald Trump.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Como é que estamos de desinformação online? A pergunta tornou-se mais pertinente durante a pandemia, quando as páginas anti-vacinas e a menorizar o impacto da covid-19 circularam nas redes sociais mais depressa que as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).
O aumento das eliminações demonstra os desafios que o Facebook enfrenta na remoção de contas criadas por computadores que aumentam o 'spam', as ‘fake news’ e outro material indesejável. E quanto mais eficazes se tornam as ferramentas de deteção do Facebook, mais esforços estão a ser desenvolvidos pelos criadores destas contas falsas. A empresa calcula que 5% das contas existentes são falsas.