Escolha as suas informações

Explosão mortal em Tarragona
Mundo 15.01.2020 Do nosso arquivo online

Explosão mortal em Tarragona

Explosão mortal em Tarragona

Mundo 15.01.2020 Do nosso arquivo online

Explosão mortal em Tarragona

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
No espaço de poucas horas os serviços de emergência da Catalunha receberam mais de 1.600 chamadas. Um dos trabalhadores da petroquímica continua desaparecido. Há um morto confirmado e oito feridos, dois deles em estado grave.

A nuvem de fumo que denunciou a explosão a vários quilómetros de distância da petroquímica de Tarragona, só deixou de estar visível no horizonte esta manhã, por volta das 6h. 

As 30 corporações de bombeiros chamadas ao local continuam por esta a hora no terreno. Depois das vidas em jogo, a principal preocupação é propagação do óxido de etileno. Além de altamente inflamável, o composto químico pode revelar-se fonte de infeções respiratórias na cidade que fica apenas a 100 quilómetros de Barcelona. 

A explosão que além das atenções da Catalunha, espantou o globo, aconteceu pouco depois das 19h. No balanço provisório, as autoridades e os serviços de emergência, enumeram oito feridos, dois com queimaduras graves. Uma pessoa morreu. A mais de 3 quilómetros de distância, o homem não resistiu aos ferimentos causados pela placa de ferro que lhe entrou pela casa a dentro. 

Pelo menos um dos trabalhadores da fábrica está desaparecido. As equipas de resgate e salvamento esperam conseguir encontrá-lo com a luz do dia. Decorrem já os trabalhos dos cinotécnicos que contam com a ajuda de cães do Grupo Canino de Buscas para revolver os escombros. Os peritos acreditam que o operário estaria na zona das oficinas da petroquímica. De resto, uma das mais afetadas pela explosão. 

Entretanto já foi retomada a circulação ferroviária, apesar de várias linhas entre Tarragona e outras cidades da Catalunha terem sido afetadas. Os técnicos da Adif já estão no terreno para avaliar e reparar os caminhos de ferro. 

No espaço de poucas horas os serviços de emergência da Catalunha receberam mais de 1.600 chamadas, de acordo com o La Vanguardia. 

A Câmara Municipal de Tarragona decretou, entretanto, dois dias de luto.