Escolha as suas informações

Explosões no Líbano. Primeiro-ministro anuncia demissão
Mundo 11.08.2020

Explosões no Líbano. Primeiro-ministro anuncia demissão

Explosões no Líbano. Primeiro-ministro anuncia demissão

Foto: AFP
Mundo 11.08.2020

Explosões no Líbano. Primeiro-ministro anuncia demissão

Lusa
Lusa
O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, anunciou esta segunda à noite a demissão do seu governo, após o "terramoto" provocado pela devastadora explosão no porto de Beirute na terça-feira, que causou pelo menos 160 mortos.

O chefe do governo, que se reivindica como independente e à frente de uma equipa de tecnocratas, culpou a classe política tradicional pelos fracassos do executivo e pela tragédia de 4 de agosto, quando 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas no porto da capital libanesa há nos provocaram a gigantesca explosão

"Hoje anuncio a demissão deste governo", disse Diab dirigindo-se aos libaneses num discurso transmitido pela televisão. Criticou a "corrupção" que levou segundo ele "a este terramoto que atingiu o país, com todas as suas consequências humanitárias, sociais e económicas".

"A catástrofe que atingiu os libaneses (…) aconteceu devido à corrupção endémica na política, na administração e no Estado", disse o primeiro-ministro. "Descobri que a corrupção institucionalizada era mais forte que o Estado", adiantou Diab, um professor universitário que formou o seu governo em janeiro.


Beirute. Presidente libanês não descarta bomba ou míssil na origem da explosão
Michel Aoun pediu imagens de satélite ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, para ajudar na investigação sobre as causas da explosão e não nega nenhum cenário, incluindo a participação de forças estrangeiras.

O governo foi negociado por um único campo político, o do movimento xiita Hezbollah e seus aliados, em particular o partido presidencial, o Movimento Patriótico Livre (CPL). O gabinete teve uma reunião na segunda à tarde, durante a qual a maioria dos seus membros se pronunciou a favor de uma demissão, tinha declarado à agência France-Presse Vartiné Ohanian, ministro da Juventude e Desporto.

Quatro ministros já tinham apresentado a demissão desde domingo, devido à explosão que destruiu bairros inteiros de Beirute, deixou mais de 6.000 feridos e até 300.000 desalojados. A demissão do governo, contudo, não deve satisfazer o movimento de contestação popular que pede a partida de toda a classe política.


Beirute, Líbano.
Fotos. Explosões em Beirute deixaram cidade num cenário de guerra
A capital do Líbano acordou, esta quarta-feira, 5 de agosto, sobre escombros, depois de duas explosões no porto terem morto, pelo menos, mais de 100 pessoas e ferido milhares de outras.

Quando Diab iniciava o seu discurso, decorriam confrontos no centro da capital perto do parlamento, onde manifestantes lançavam pedras sobre as forças de segurança que respondiam com disparos de gás lacrimogéneo.

O governo Diab já tinha sido formado após a demissão do primeiro-ministro Saad Hariri sob pressão de uma revolta popular inédita no outono de 2019 contra uma classe política considerada corrupta e incompetente, quase inalterada há décadas.

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.