Escolha as suas informações

Ex-PM de Cabo Verde "emocionado" com funeral de Giovani Rodrigues
Mundo 2 min. 19.01.2020

Ex-PM de Cabo Verde "emocionado" com funeral de Giovani Rodrigues

Ex-PM de Cabo Verde "emocionado" com funeral de Giovani Rodrigues

Foto: Cláudio Barbosa
Mundo 2 min. 19.01.2020

Ex-PM de Cabo Verde "emocionado" com funeral de Giovani Rodrigues

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Cerimónias fúnebres do jovem que morreu na sequência de uma agressão em Bragança realizaram-se este sábado na cidade dos Mosteiros, Ilha do Fogo.

O funeral de  Giovani Rodrigues, o jovem cabo-verdiano, de 21 anos, que morreu na sequência de uma agressão em Bragança, realizou-se ontem  na cidade dos Mosteiros, Ilha do Fogo, onde centenas de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre.

As imagens deixaram "emocionado" o antigo primeiro-ministro de Cabo-Verde, José Maria Pereira Neves, que, numa mensagem publicada este domingo, na sua página de Facebook, descreveu o momento como "sublime", destacando a participação do cardeal.

"Muito significativa a presença do Cardeal Dom Arlindo Furtado, que se deslocou propositadamente para o efeito, na verdade um traço de união da comunidade nacional", começou por dizer José Maria Pereira Neves, que foi professor de Joaquim Rodrigues, pai do jovem.

Foto: Cláudio Barbosa

O ex-governante enalteceu o sentimento de união coletiva que a morte de Giovani motivou no arquipélago e nas comunidades emigrantes, espalhadas um pouco por todo o mundo, e que se traduziu em manifestações e vigílias em vários países, incluindo o Luxemburgo.


Vídeo. Giovani: "Queremos apenas justiça"
Entre a tristeza e a revolta, a comunidade cabo-verdiana do Luxemburgo pediu justiça. "Não ficamos calados", gritaram as centenas que, além fronteiras, fizeram de Giovani mais um rapaz comum, vítima de crime hediondo.

" Giovani, um mártir, fez despertar a Nação Global. Por todo o mundo os caboverdianos levantaram bem alto a bandeira da Pátria, desfraldaram os gritos de indignação e de justiça. De indignação pela forma brutal como foi morto, na flor da idade; de justiça, para que os autores de tão infausto ato sejam responsabilizados, para que tal ato de intolerância e de violência nunca mais se repita."

Das redes sociais às autoridades de Cabo Verde, o ex-governante considerou que  todos "apoiaram" o caso, que o país "está de parabéns" nessa manifestação de unidade e que os cabo-verdianos "manifestaram a sua opção pela paz, pela amizade, pela solidariedade".

Giovani Rodrigues morreu a 31 de dezembro no Porto, na sequência de uma agressão ocorrida 10 dias antes, em Bragança.

A 21 de dezembro de 2019, o jovem, que era estudante do Instituto Politécnico daquela cidade transmontana, foi agredido por vários homens à saída de uma discoteca da cidade.

Transportado para o Hospital de Santo António, no Porto, acabou por morrer ao fim de 10 dias de internamento.


Tribunal decreta prisão preventiva para os cinco suspeitos da morte de Giovani
Os cinco suspeitos, com idades entre os 22 e os 35 anos, foram detidos pela Polícia Judiciária na quinta-feira. Autoridades afastam motivação do crime por ódio racial.

As autoridades portuguesas identificaram cinco suspeitos na passada sexta-feira, 17 de janeiro, que vão aguardar julgamento em prisão preventiva, indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio. 

A hipótese de o crime ter sido motivado por ódio racial foi descartada pelas investigações.

Na sua mensagem o ex-primeiro ministro de Cabo Verde deixa ainda elogios à atuação das autoridades portuguesas neste caso.

"Houve o clamor de uma nação inteira e, conseguintemente, agiram com tremenda responsabilidade. As declarações do Diretor da Polícia Judiciária de Portugal, em jeito de resposta e de prestação de contas, foram elevadas, respeitosas e adequadas para as circunstâncias", afirmou ainda.

Leia aqui a mensagem completa