Escolha as suas informações

Europa "está a viver o momento mais perigoso desde a Guerra Fria"
Mundo 2 min. 30.01.2022 Do nosso arquivo online
Tensão Ucrânia-Rússia

Europa "está a viver o momento mais perigoso desde a Guerra Fria"

Um instrutor militar numa formação com civis, com réplicas de madeira de espingardas Kalashnikov, durante uma sessão na capital ucraniana de Kiev, a 30 de janeiro de 2022
Tensão Ucrânia-Rússia

Europa "está a viver o momento mais perigoso desde a Guerra Fria"

Um instrutor militar numa formação com civis, com réplicas de madeira de espingardas Kalashnikov, durante uma sessão na capital ucraniana de Kiev, a 30 de janeiro de 2022
Foto: AFP
Mundo 2 min. 30.01.2022 Do nosso arquivo online
Tensão Ucrânia-Rússia

Europa "está a viver o momento mais perigoso desde a Guerra Fria"

Lusa
Lusa
"A Rússia está a fazer uma guerra de nervos, por isso temos de ser firmes", disse o alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell.

O alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, defendeu hoje que a Europa "está a viver o momento mais perigoso desde a Guerra Fria", devido à crise com a Rússia por causa da Ucrânia.

"A Rússia está a fazer uma guerra de nervos, por isso temos de ser firmes", disse Borrell num artigo publicado no seu blogue 'Uma janela sobre o mundo' e citado pela agência espanhola de notícias, a Efe, no qual afirma: "Estamos a viver hoje o momento mais perigoso desde o período posterior à Guerra Fria".

O alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell.
O alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell.
Foto: John Thys/AFP

Apesar do perigo, Borrell defendeu que é preciso seguir a recomendação do presidente da Ucrânia e evitar o pânico, e escreveu que é por isso que a União Europeia decidiu manter a presença diplomática em Kiev.

Com o aumento das tensões nas fronteiras orientais da União Europeia, a "unidade" é a "força" dos 27, disse o chefe da diplomacia europeia, que defende a manutenção das "vias gémeas da diplomacia e dissuasão" para abrandar o conflito "utilizando todos os caminhos possíveis", e ao mesmo tempo manter o apoio à Ucrânia.


Rússia reafirma que não quer uma guerra com os ucranianos
O secretário do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev, afirmou que a Rússia não quer uma guerra com a Ucrânia e sublinhou que Moscovo não está a ameaçar o país vizinho.

Neste contexto, o político espanhol criticou a decisão das autoridades russas, anunciadas na semana passada, de proibir a entrada na Rússia de "um número desconhecido de representantes dos Estados membros e instituições da UE".

Esta decisão, acrescentou, "carece de toda a justificação legal e transparência e terá uma resposta adequada", avisou o diplomata, acrescentando que situações destas mostram que a Rússia "continua a alimentar um clima de tensão com a Europa, em vez de contribuir para acalmar a situação".

O artigo de Borrell surge no mesmo dia em que, em entrevista à CNN, senadores republicanos e democratas afirmaram que o projeto de lei com sanções à Rússia está perto de ser acordado entre os dois blocos políticos norte-americanos.

A tensão entre a Rússia e os EUA aumentou depois da mobilização de 100 mil militares russos para a fronteira com a Ucrânia, que suscitou receios de um possível ataque ao território ucraniano, algo que Moscovo nega, mas que Washington considera iminente.

A Ucrânia está envolvida numa guerra com separatistas pró-russos na região industrial do Donbass, no Leste do país, desde 2014, que diz ser fomentada e apoiada militarmente por Moscovo. Na sequência do conflito, Rússia, Ucrânia, Alemanha e França criaram uma plataforma de diálogo conhecida por Formato Normandia, mas os líderes dos quatro países não se reúnem desde 2019.

Conselheiros políticos dos quatros líderes reuniram-se na quarta-feira, em Paris, e marcaram um próximo encontro para fevereiro, em Berlim, mas não discutiram a realização de uma nova cimeira, que tem sido sugerida pelo Presidente da Ucrânia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ao fim de cerca de cinco horas de discussão, os líderes dos 27 países da UE assinaram uma declaração onde ao mesmo tempo se garante apoio à Ucrânia e ao desejo de Zelensky de pertencer à União Europeia, mas de maneira nenhuma há um compromisso sobre a Ucrânia entrar já na EU.
Os Chefes de Estado e de Governo da União Europeia UE sentam-se juntos numa reunião informal de dois dias no Palácio de Versalhes.