Escolha as suas informações

EUA. Vacina contra a covid-19 entra na fase final dos testes em humanos
Mundo 3 min. 15.07.2020

EUA. Vacina contra a covid-19 entra na fase final dos testes em humanos

EUA. Vacina contra a covid-19 entra na fase final dos testes em humanos

AFP
Mundo 3 min. 15.07.2020

EUA. Vacina contra a covid-19 entra na fase final dos testes em humanos

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A fase decisiva dos ensaios clínicos desta vacina da empresa Moderna vai iniciar-se no final deste mês numa amostra de 30 mil participantes. Os resultados anteriores são "promissores".

A vacina experimental para a covid-19 da empresa Moderna, dos EUA, vai já entrar na fase decisiva dos ensaios clínicos, no final deste mês. Os resultados anteriores são "promissores", por isso, a Moderna vai testar a vacina em 30 mil voluntários, em condições reais.

Até agora, a 'vacina mRNA-1273' contra COVID-19, da empresa de biotecnologia Moderna, revelou cumprir os objetivos iniciais: mostrar ser “segura e desencadear anticorpos contra a SARS-CoV-2”, o que se verificou em todos os 45 participantes nas fases iniciais dos ensaios clínicos. 

Os efeitos secundários da toma mostraram ser “leves a moderados”, o que é considerado normal, nomeadamente dores de cabeça, fadiga, calafrios e dores no local do corpo onde foi administrada a vacina, explicou Tal Zaks, diretor médico da Moderna numa videoconferência de imprensa na segunda-feira, dia 13.

Estes resultados “encorajadores” foram publicados na revista científica New England Journal of Medicine ontem, dia 14, e colocam esta vacina experimental da Moderna na vanguarda das 23 investigações mundiais, segundo a OMS, para encontrar um método de imunização eficaz para a covid-19, a única forma capaz de destruir a pandemia.


Tailândia quer testar vacinas em humanos no quarto trimestre do ano
Se os resultados da primeira fase forem positivos, os testes avançam para uma segunda fase, em que a amostra será ampliada para entre 500 e mil pessoas. O objetivo é distribuir a vacina em 2021.

Se tudo correr bem nos próximos passos do estudo, a empresa vai conseguir “fornecer aproximadamente 500 milhões de doses por ano e possivelmente até mil milhões de doses por ano, a partir de 2021”, anunciou a Moderna, empresa de biotecnologia dos EUA, em comunicado.

30 mil pessoas em ensaio

Nesta fase decisiva que vai iniciar-se no final deste mês, os investigadores da Moderna irão seguir os 30 mil participantes, voluntários, durante dois anos, para verificar se estes estão protegidos da infeção ou, se forem infetados, se a vacina pode impedir a progressão dos sintomas. O estudo deverá estar concluído a 27 de outubro de 2022 embora os resultados preliminares sejam anunciados muito antes.

“Agora precisamos perceber como funciona a vacina quando a pessoa é exposta ao vírus real", declarou Amesh Adalja, especialista em doenças infeciosas da Universidade Johns Hopkins à imprensa norte-americana.

Segundo explicou Lisa Jackson, investigadora do Kaiser Washington Health Research Institute, em Seattle, que integra o estudo apesar das “respostas imunes promissoras”, na primeira fase ainda não se observou se o nível de resposta imunológica dada pela vacina será suficiente para proteger as pessoas contra a infeção. E é isso que se irá testar nesta fase decisiva em que metade dos 30 mil participantes irão receber uma dose de 100 microgramas da vacina e a outra metade um placebo.

Anticorpos gerados

Segundo o artigo publicado na terça-feira, os 45 participantes na Fase 1 foram divididos em três grupos de 15, aos quais foram administradas doses de 25 microgramas, 100 microgramas e 250 microgramas. Todos receberam uma segunda dose, nas mesmas quantidades, 28 dias mais tarde. 


Covid-19. Luxemburgo apoia OMS numa vacina que seja "bem público global"
O ministro dos Negócios Estrangeiros e Europeus, Jean Asselborn, garantiu apoio político ao pedido do diretor da Organização Mundial de Saúde, para que a futura vacina seja um "bem público e mundial, de acesso equitativo".

Após a primeira administração, verificou-se que os níveis de anticorpos eram mais elevados com as doses mais elevadas; após a segunda administração, os participantes tinham níveis de anticorpos mais elevados do que a maioria dos doentes que tinham tido Covid-19, recuperado e tinham gerado os seus próprios anticorpos.

Como funciona esta vacina?

A técnica mRNA da vacina foi desenvolvida pela Moderna para combater outros coronavírus, MERS e SARS, mas os ensaios clínicos nunca foram além da primeira fase. 

O objetivo da vacina mRNA é dar ao organismo a informação genética necessária para desencadear a proteção preventiva contra o coronavírus.

A vacina introduz material genético da SARS-CoV-2 no organismo humano e este responde produzindo uma proteína que permite ao vírus infiltrar-se na célula hospedeira. A presença desta proteína chamada ‘spike protein’ desenvolve uma resposta imunitária do corpo que induz o desenvolvimento de anticorpos que travam a progressão do novo coronavírus no corpo.


Covid-19. Vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford já está a ser testada no Brasil
País é o primeiro a iniciar testes em humanos fora do Reino Unido para testar a imunização contra o Sars-Cov-2.

Apesar da vacina ser a grande esperança para ganhar a batalha da pandemia da covid-19, os especialistas mundiais têm advertido que as primeiras vacinas a chegar ao mercado não serão necessariamente as mais eficazes ou as mais seguras.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas