Escolha as suas informações

EUA: Trump abre nova fase da política mundial, dizem especialistas
Mundo 2 min. 20.01.2017

EUA: Trump abre nova fase da política mundial, dizem especialistas

Donald Trump e a esposa, Melania

EUA: Trump abre nova fase da política mundial, dizem especialistas

Donald Trump e a esposa, Melania
Foto: AFP
Mundo 2 min. 20.01.2017

EUA: Trump abre nova fase da política mundial, dizem especialistas

Especialistas em relações internacionais concordaram hoje em Lisboa que a posse de Donald Trump marca o começo de um novo mundo, de contornos difíceis de antecipar e com incógnitas como o futuro do multilateralismo nascido do pós-guerra.

Especialistas em relações internacionais concordaram hoje em Lisboa que a posse de Donald Trump marca o começo de um novo mundo, de contornos difíceis de antecipar e com incógnitas como o futuro do multilateralismo nascido do pós-guerra.

“É o primeiro presidente dos Estados Unidos a pôr em causa a integração europeia”, exemplificou o investigador Carlos Gaspar, um dos intervenientes na conferência “Trump Day”, que decorre hoje na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Gaspar referia-se a declarações do presidente eleito dos Estados Unidos, que hoje toma posse, caracterizando a União Europeia como um mero instrumento de dominação da Alemanha, e frisou que a integração europeia tal como ela é foi uma criação dos Estados Unidos após a II Guerra Mundial.

“A NATO é obsoleta, a UE instrumentalizada, da ONU nem fala… Um novo mundo de relações entre pares”, referiu, aludindo a afirmações de Donald Trump.

O investigador do IPRI (Instituto Português de Relações Internacionais) defendeu na sua intervenção que, apesar das muitas declarações questionando a política externa norte-americana das últimas décadas, Trump não vai conseguir mudá-la porque lhe falta experiência e capacidade.

“Trump não vai conseguir mudar a política em relação à Rússia porque não é um presidente [Harry] Truman […] ou a política em relação à China porque não é um [Richard] Nixon”, disse.

“Trump não tem uma carreira política ou de serviço público. Todos os outros presidentes antes dele ou eram políticos ou generais. Trump é virgem, só faz política há dois anos, desde que lançou a candidatura, não tem a menor experiência diplomática e conhece muito mal os Estados Unidos”, afirmou.

Outros intervenientes, como o embaixador Francisco Seixas da Costa, consideraram que o novo presidente norte-americano abre, com as dúvidas que suscita, uma era de imprevisibilidade, a qual, partindo daquela que é “a potência decisiva” do mundo atual, “induz fatores de insegurança” à escala global.

Seixas da Costa também destacou, entre as incógnitas que se colocam, o futuro do multilateralismo, dado o “discurso de desprezo pelo multilateralismo” de Donald Trump que não pode deixar de se traduzir num “abalo da confiança”.

O antigo embaixador acredita, contudo, no funcionamento do sistema político dos Estados Unidos.

“Se Trump for um descalabro em termos de afirmação dos EUA à escala global, isso vai ter desde logo reflexos no Congresso”, sempre que colida com os interesses dos Estados Unidos.

“Daqui a dois anos vamos ter uma primeira avaliação” política da primeira metade do mandato, considerou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Trump: União Europeia é inimiga dos EUA
O presidente norte-americano, que reúne esta segunda-feira com o seu homólogo russo, considera a Rússia e a China “concorrentes” “eficientes” e a UE inimiga dos americanos devido às suas práticas comerciais que prejudicam Washington.
US President Donald Trump waits for a breakfast with the Finland's President at the Mantyniemi Presidential Residence July 16, 2018 in Helsinki, Finland
US President Donald Trump touched down in Helsinki on July 16, 2018 on the eve of a much-anticipated summit with his Russian counterpart Vladimir Putin. / AFP PHOTO / Brendan Smialowski
Destaque: Republicanos chocados com reações contra eleição de Trump
Os Republicanos no Luxemburgo dizem-se chocados com as “reações exageradas e histéricas” contra a eleição de Donald Trump. Já os Democratas americanos no Grão-Ducado querem que o Congresso controle o magnata. Quanto ao Governo e partidos luxemburgueses, quase todos esperam que o Presidente Trump não leve a cabo as promessas de campanha do candidato Trump.