Escolha as suas informações

EUA querem trabalhar com Itália no "respeito pelos direitos humanos"
Mundo 26.09.2022
Eleições

EUA querem trabalhar com Itália no "respeito pelos direitos humanos"

Antony Blinken
Eleições

EUA querem trabalhar com Itália no "respeito pelos direitos humanos"

Antony Blinken
Foto: AFP
Mundo 26.09.2022
Eleições

EUA querem trabalhar com Itália no "respeito pelos direitos humanos"

Lusa
Lusa
"A Itália é um aliado vital, uma democracia forte e um parceiro valioso", disse o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, após a vitória eleitoral da extrema-direita.

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse hoje pretender trabalhar com o novo Governo italiano em objetivos comuns, como o apoio à Ucrânia e o "respeito pelos direitos humanos", numa mensagem após a vitória eleitoral da extrema-direita.


Coligação de direita e extrema-direita reclama vitória em Itália
De acordo com resultados parciais, a coligação de direita e extrema-direita - FdI, Liga e Força Italia - obteve entre 43% dos votos nas legislativas. Giorgia Meloni deverá tornar-se a primeira mulher a liderar um governo italiano.

"Após as eleições italianas de ontem [domingo], estamos ansiosos para trabalhar com o Governo de Itália nos nossos objetivos compartilhados: apoiar uma Ucrânia livre e independente, respeitar os direitos humanos e construir um futuro económico sustentável", escreveu o chefe da diplomacia norte-americana na rede social Twitter.

"A Itália é um aliado vital, uma democracia forte e um parceiro valioso", acrescentou Blinken.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já havia prometido colocar a defesa da democracia e dos direitos humanos no centro da sua política externa.


Giorgia Meloni, tem 45 anos e está prestes a tornar-se a primeira-ministra de Itália de um Governo de direita e extrema-direita.
Quem é Giorgia Meloni, próxima PM de Itália e admiradora de Mussolini?
Aos 45 anos, a líder do partido FdI tem por lema "Deus, Pátria e Família", assumindo-se anti-Europa, anti-aborto e contra os "lobbies LGBT".

Segundo os resultados parciais, a coligação de direita e extrema-direita - liderada pelos Irmãos de Itália e que reúne ainda a Liga, de Matteo Salvini, e o conservador Força Itália, de Silvio Berlusconi - obteve cerca de 43% dos votos nas legislativas.

O bloco de centro-esquerda, liderado pelo Partido Democrático, de Enrico Letta, deverá ter 26% dos votos.

O partido Irmãos de Itália, liderado por Giorgia Meloni, foi fundado em 2012 e tem raízes no Movimento Social Italiano (MSI), fundado pelos seguidores do ditador fascista Benito Mussolini.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas