Escolha as suas informações

EUA. Mulher é violada em carruagem de comboio e passageiros não fazem nada para impedir
Mundo 2 min. 19.10.2021
Crime

EUA. Mulher é violada em carruagem de comboio e passageiros não fazem nada para impedir

Crime

EUA. Mulher é violada em carruagem de comboio e passageiros não fazem nada para impedir

Foto: Mtruch/Wikimedia Commons
Mundo 2 min. 19.10.2021
Crime

EUA. Mulher é violada em carruagem de comboio e passageiros não fazem nada para impedir

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Além de não intervirem, nem chamarem a polícia, alguns dos passageiros terão apontado os seus telemóveis na direção da cena de crime e poderão ter filmado a agressão.

Uma mulher foi violada numa carruagem de um comboio urbano, em Filadélfia, EUA, na semana passada, perante a passividade de outros passageiros, que, testemunhando a agressão, não intervieram, nem chamaram a polícia.

Segundo noticia a CNN, a alegada violação ocorreu na passada quarta-feira à noite, pouco antes das 22h, e foi um "ato criminoso horrendo", afirmou a empresa de transporte ferroviário que opera a linha onde ocorreu o crime, a SEPTA, num comunicado citado pela estação americana. 

A empresa de transporte público da cidade disse que outras pessoas que viajavam no comboio viram a agressão e não só não fizeram nada para a impedir, como não alertaram as autoridades. 

"Havia outras pessoas no comboio que testemunharam este ato horrendo, que podia ter sido impedido mais cedo se alguém tivesse ligado para o 911 [número de emergência dos EUA]", afirmou o mesmo organismo.

O porta-voz da SEPTA, Andrew Busch, explicou que acabou por ser um dos funcionários da empresa, que já não estava ao serviço, que conseguiu ver que algo de errado se passava na carruagem enquanto o comboio passava por si e que chamou a polícia. 

"O funcionário do SEPTA entrou no comboio, viu a agressão a ocorrer e ligou imediatamente para o 911", contou, acrescentando que um funcionário da SEPTA e um agente da polícia entraram no comboio, três minutos depois, quando este chegou à paragem e localizaram o suspeito e a vítima, pondo fim à agressão e detendo o agressor, um homem de 35 anos.


Várias mulheres foram alvos de agressões sexuais nos comboios que ligam Metz e a cidade do Luxemburgo
Pelo menos quatro viajantes nessa linha apresentaram queixa de terem sido agredidas sexualmente durante a viagem.

Os investigadores da polícia afirmam que a vítima estava sozinha quando o suspeito se sentou ao seu lado e começou a assediá-la, ignorando os seus apelos para se ir embora, refere o jornal Philadelphia Inquirer. O relato da vítima, acrescenta o mesmo jornal, é confirmado pelas imagens das câmaras de vigilância das carruagens.

Testemunhas tinham smartphones mas só funcionário da empresa ligou à polícia

O chefe de segurança da empresa de transportes, Thomas Nestel III disse, esta segunda-feira, em conferência de imprensa, que houve "muito poucas" notificações à polícia sobre a agressão, embora houvesse pessoas no comboio com telefones e smartphones nas mãos que testemunharam a violação. 

O responsável referiu que a sua equipa recebeu uma chamada de emergência - a do funcionário - mas que o número dos serviços de emergência da polícia (911) não recebeu nenhuma.

Questionado, pelos jornalistas, sobre se os passageiros do comboio gravaram a violação nos seus telefones e colocaram vídeos nas redes sociais, o chefe de segurança não confirmou nem desmentiu. "Posso dizer-vos que as pessoas estavam a segurar o telefone na direção desta mulher a ser atacada", respondeu.

Citado pelo Philadelphia Inquirer, Timothy Bernhardt, superintendente da Polícia de Upper Darby, zona de destino do comboio, acrescentou que se os restantes passageiros tivessem intervindo a vítima poderia ter sido poupada ao ataque.

"Havia muita gente, na minha opinião, que deveria ter intervindo. Alguém deveria ter feito algo. Isto mostra onde estamos como sociedade e quem somos por permitir que algo assim aconteça. Portanto, é preocupante."

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.