Escolha as suas informações

EUA assinam acordo de paz "histórico" com Talibãs
Mundo 4 29.02.2020 Do nosso arquivo online

EUA assinam acordo de paz "histórico" com Talibãs

EUA assinam acordo de paz "histórico" com Talibãs

AFP
Mundo 4 29.02.2020 Do nosso arquivo online

EUA assinam acordo de paz "histórico" com Talibãs

Redação
Redação
Ao fim de 18 anos de conflitos, as duas partes chegaram a um entendimento que prevê a retirada total das tropas norte-americanas do Afeganistão.

Os Estados Unidos e os Talibãs afegãos assinaram hoje um acordo histórico em Doha, Qatar, que visa a retirada total das tropas norte-americanas, após 18 anos de conflitos e conversações de paz interafegãs, sem precedentes. 

O acordo que estava a ser negociado há ano e meio, foi assinado pelos principais negociadores das duas partes opostas, Zalmay Khalilzad, do lado americano e o líder político do Talibã, Abdul Ghani Baradar, na presença do chefe da diplomacia americana Mike Pompeo. 

"É um dia histórico", disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.  

Khalilzad e Baradar apertaram as mãos sob os aplausos e gritos do "Alá Akbar". De salientar que este documento não é acordo de paz em si mesmo, uma vez que as próprias autoridades afegãs, que se debatem com as divisões decorrentes de uma eleição presidencial disputada, têm sido até agora mantidas fora destas conversações directas.


Portugueses em Cabul com a “guerra” ao terrorismo ali mesmo ao lado
A base, onde estão militares portugueses e de mais de 20 países – no total, a RS tem 56 países – é uma espécie de Torre de Babel de línguas (e povos). Há militares e carros de combate, o movimento no aeroporto é quase incessante, dos BlackHawck ou C-130 aos velhos helicópteros Mil soviéticos, que foram ficando após a invasão e retirada da URSS

Mas os americanos estão empenhados numa retirada imediata e faseada das suas tropas. Um calendário com princípios, exige a retirada total de todas as forças estrangeiras do Afeganistão "dentro de 14 meses após a assinatura do acordo", diz o texto. Durante este período os EUA comprometem-se a não atacar e até ajudar a treinar as forças de segurança afegãs. Além de não interferir nas questões de administração.

O passo para o "fim da guerra"

 Um representante talibã em Doha, Mohammed Naeem, citado pela Al Jazeera declarou que este acordo é “um passo em frente” e com ele "vem o fim da guerra no Afeganistão”.

"O acordo foi assinado hoje, e nosso povo está feliz e a celebrar. Parámos todas as nossas operações militares em todo o país", disse à AFP, em Cabul, o porta-voz dos Talibãs, Zabihullah Mujahid.

Com AFP


Notícias relacionadas