Escolha as suas informações

EUA anunciam compra de trigo ucraniano para doar a países pobres
Mundo 2 min. 17.08.2022
Guerra na Ucrânia

EUA anunciam compra de trigo ucraniano para doar a países pobres

Guerra na Ucrânia

EUA anunciam compra de trigo ucraniano para doar a países pobres

Foto: Jalaa Marey/AFP
Mundo 2 min. 17.08.2022
Guerra na Ucrânia

EUA anunciam compra de trigo ucraniano para doar a países pobres

Lusa
Lusa
As 150 mil toneladas de trigo, que correspondem a 68 milhões de dólares (66,8 milhões de euros), serão compradas e enviadas para países que sofrem de "fome severa e subnutrição" no Corno de África.

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) anunciou a compra de trigo ucraniano no valor dezenas de milhões de dólares, para o programa da ONU de combate à fome nos países pobres.

Em comunicado, a administradora da USAID explicou que as 150 mil toneladas de trigo, que correspondem a 68 milhões de dólares (66,8 milhões de euros), serão compradas e enviadas para países que sofrem de "fome severa e subnutrição" no Corno de África, uma área afetada por uma seca histórica.

Samantha Power também disse que, embora este seja um passo na direção certa, "muito mais é necessário" para ajudar o mundo a recuperar da "devastação global causada pela guerra brutal do Presidente russo, Vladimir Putin".

Os cereais serão entregues aos países necessitados através do Programa Alimentar Mundial da ONU.


Para onde vão os navios com cereais ucranianos?
21 navios já foram autorizados a sair dos portos da Ucrânia desde o início do mês.

O Secretário de Estado norte-americano aproveitou a oportunidade para apelar a todos os países em todo o mundo para aumentarem a ajuda humanitária e ao desenvolvimento, bem como para apoiarem os esforços de segurança alimentar e aliviarem as restrições comerciais.

"Trabalhando juntos, podemos garantir a segurança alimentar global", disse Antony Blinken.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, é esperado esta semana na Ucrânia para uma reunião trilateral com o Presidente, Volodymyr Zelensky, e o líder turco, Recep Tayyip Erdogan.

O encontro terá lugar quinta-feira na cidade de Lviv. No dia seguinte, Guterres visitará Odessa e o seu porto, que está a ser utilizado para a exportação de cereais ucranianos ao abrigo de um acordo promovido pela própria organização e pela Turquia.


Espanha testa saída de cereais ucranianos por comboio
O "projeto-piloto" arrancou na terça-feira, com a saída de um comboio com 25 contentores de Madrid, rumo a Chelm, na Polónia.

Posteriormente, o líder da ONU deslocar-se-á a Istambul para visitar o Centro Conjunto de Coordenação que supervisiona o cumprimento do pacto, explicou o seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

Segundo Dujarric, Guterres viajará para a Ucrânia a convite de Kiev e espera-se que parte da reunião trilateral com Zelensky e Erdogan se concentre na revisão do funcionamento da iniciativa que permitiu o desbloqueio das exportações de cereais através do Mar Negro.

Além disso, o secretário-geral da ONU planeia realizar uma reunião bilateral com o Presidente ucraniano, na qual se espera que discuta o estado geral do conflito, a necessidade de uma solução política e outras questões, tais como a situação em Zaporijia e as tentativas de destacar uma missão de peritos internacionais para avaliar a central nuclear no terreno.

Guterres já viajou para a Ucrânia em abril, como parte de uma digressão que também passou pela Turquia e Rússia e organizou a retirada de civis de Mariupol, que teve lugar alguns dias mais tarde, com o apoio da ONU. A viagem também ajudou a forjar o acordo para a exportação de cereais, que levou meses a concretizar-se.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O bloqueio russo à saída de cereais da Ucrânia pode provocar uma fome à escala mundial, sobretudo em África. A UE, os EUA e as Nações Unidas pedem à Rússia para permitir corredores de transporte para outros portos europeus. “Entrámos na era da diplomacia alimentar”, disse o chefe das Relações Externas da UE.
Em 2021, a Rússia e a Ucrânia estavam entre os maiores exportadores de cereais e sementes de girassol.