Escolha as suas informações

Ucrânia diz que já morreram mais de 26 mil militares russos desde início da guerra
Mundo 7 min. 11.05.2022
Guerra na Ucrânia

Ucrânia diz que já morreram mais de 26 mil militares russos desde início da guerra

Guerra na Ucrânia

Ucrânia diz que já morreram mais de 26 mil militares russos desde início da guerra

Foto: AFP
Mundo 7 min. 11.05.2022
Guerra na Ucrânia

Ucrânia diz que já morreram mais de 26 mil militares russos desde início da guerra

Redação
Redação
Só na terça-feira, 350 russos terão perdido a vida.

A Ucrânia atualiza todos os dias o números referentes às perdas de Moscovo em território ucraniano e, esta quarta-feira, os dados apontam para a destruição de mais de 1.100 tanques e 12 navios russos.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, terão morrido mais de 26 mil soldados russos — só na terça-feira, 350 homens terão perdido a vida.

Rússia ataca mais de 500 alvos ucranianos e destrói 17 depósitos de munições  

As forças russas realizaram na noite de terça-feira mais de 500 ataques contra alvos militares na Ucrânia e destruíram 17 depósitos de munições, além de 59 unidades de material militar, divulgou esta quarta-feira o Ministério da Defesa ucraniano.

De acordo com o porta-voz militar ucraniano, general Igor Konashenkov, durante a noite de terça-feira a aviação russa atingiu 93 alvos, incluindo dois postos de comando, 69 áreas com regimentos de soldados e material militar, além de três depósitos de munições das Forças Armadas ucranianas.

Além disso, tropas com foguetes e unidades de artilharia atacaram 407 áreas com regimentos de soldados e material militar, destruíram 13 postos de comando, quatro posições de sistemas de mísseis antiaéreos Osa-AKM e 14 depósitos de munições.

Como resultado dos ataques, a Rússia matou mais de 280 soldados e destruiu 59 unidades de material militar, segundo Konashenkov.

Da mesma forma, os sistemas de defesa aérea destruíram nove ‘drones’ ucranianos durante a noite de terça-feira, incluindo quatro perto da vila de Balakliya, na região de Kharkiv; três perto de Rubizhne, em Lugansk; um outro perto da Ilha Zmeiny (Ilha da Serpente) e um Bayraktar-TB2 de fabricação turca perto de Arkhangelsk, na região de Mykolaiv.

Ataques na Ilha da Serpente continuam

O Ministério da Defesa do Reino Unido anunciou que os ataques das forças militares russas na Ilha da Serpente continuam. O ministério alerta para a possibilidade de Moscovo conseguir conquistar esta ilha e, se isso acontecer, a Rússia "pode dominar a zona nordeste do Mar Negro".

Através dos drones turcos Bayraktar, a Ucrânia conseguiu atingir "as defesas aéreas russas e navios de reabastecimento".

Kiev não recebeu armas suficientes para "libertar Mariupol", afirma Zelensky

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse aos deputados do Parlamento de Malta que, apesar dos pedidos, a Ucrânia não recebeu a quantidade de armas que necessita para romper o cerco a Mariupol e retomar a cidade. Zelensky disse que os defensores "vão prosseguir a resistência na fábrica de Azovstal".

"Estamos a recorrer a todos os instrumentos diplomáticos possíveis para os salvar, mas a Rússia não tem aceitado nenhuma das opções propostas. Pedimos aos nossos parceiros que forneçam armas com o objetivo de libertar Mariupol e salvar o pessoal civil e militar", adiantou.

Zelensky adiantou que cidades e outras povoações ucranianas foram atingidas por 2.250 mísseis nos dois meses e meio de invasão. "Os bombardeamentos não param, nem durante o dia, nem durante a noite", disse.

O líder de Kiev também disse que o bloqueio russo dos portos no mar Negro e mar de Azov estão a impedir a exportação de produtos cerealíferos e outros, que irá originar uma crise no mercado de alimentação à escala global.

"Se não podemos exportar trigo, cevada, sementes de girassol, óleo de girassol, isso significa que a população do norte de África e Ásia vai ficar com falta de comida e os preços vão subir", disse Zelensky. "Mais tarde, poderá haver um novo caos e uma nova crise migratória, e penso que vão sentir esta crise nas regiões vizinhas de Malta".

EUA aprovam novo pacote de ajuda de 38 mil milhões de euros

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou um pacote de 40 mil milhões de dólares (38 mil milhões de euros) para a Ucrânia, reforçando o apoio a Kiev como pedido pelo Presidente Joe Biden. 

O texto aprovado na terça-feira à noite inclui uma componente económica e humanitária, mas também armas e munições. "Com este programa de ajuda, os Estados Unidos enviam um sinal ao mundo da nossa determinação inabalável de apoiar o corajoso povo da Ucrânia até à vitória" sobre Moscovo, sublinhou a presidente da câmara baixa do Congresso, a Democrata Nancy Pelosi, algumas horas antes da votação. O presidente ucraniano já agradeceu o novo pacote. 

A proposta segue para votação no Senado, câmara alta do Congresso norte-americano, antes de ser promulgada pelo Presidente Biden. O pacote inclui seis mil milhões de dólares (5,7 mil milhões de euros) para a aquisição de veículos blindados e o reforço da defesa antiaérea ucraniana, numa altura em que os combates continuam no leste e no sul do país. 

Cerca de nove mil milhões de dólares (8,5 mil milhões de euros) vão ser atribuídos para garantir, entre outros, "a continuidade das instituições democráticas ucranianas", e para fins humanitários.

Biden tem pedido, há várias semanas, uma enorme extensão do orçamento de 33 mil milhões de dólares (31 mil milhões de euros) para a Ucrânia, depois de o Congresso ter já aprovado quase 14 mil milhões de dólares (13 mil milhões de euros), em meados de março.

Lavrov acusa UE de não ter uma política externa própria

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, defendeu hoje que a União Europeia (UE) "não tem uma política externa", em resposta à proposta de Bruxelas de uso para reconstrução da Ucrânia das reservas da Rússia confiscadas.


Energia. Pode a UE ser realmente independente?
Dada a sua dimensão, o Luxemburgo é, juntamente com Malta e a Bélgica, o maior importador de energia da Europa. O que pensam estes Eurodeputados sobre a independência da UE neste sector?

Para Lavrov, a proposta do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, acabará por cair, já que é apenas uma forma de seguir as exigências feitas pelos Estados Unidos, que sugeriram o uso de reservas russas congeladas pelas sanções para a reconstrução da Ucrânia. "Borrell não deve esquecer que o seu posto é diplomático e não militar", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, durante uma visita à Argélia.

Lavrov comparou ainda a proposta de congelamento de reservas russas confiscadas pelas sanções da UE com a atitude que os EUA tiveram no Afeganistão.

"Congelaram o acesso ao banco central afegão. Mas não usam esse dinheiro para reconstruir o Afeganistão, que foi destruído como resultado das ações da NATO", explicou o chefe da diplomacia russa.

Quanto ao abastecimento de gás, Lavrov repetiu que o abastecimento energético da Europa está garantido, elogiando o país seu anfitrião. "Nós, tal como a Argélia, mantemos uma posição unificada no quadro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), com base em acordos anteriores e assim será no futuro", esclareceu Lavrov.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia agradeceu à Argélia pelo que considerou ser uma "posição equilibrada e objetiva em relação aos acontecimentos" na Ucrânia, "tanto nas relações bilaterais como em vários fóruns internacionais".

Lavrov defendeu ainda a invasão da Ucrânia, justificando-a com o "princípio da igualdade de soberania", acusando os Estados Unidos e os seus aliados de ignorarem esses valores.

"A discussão gira em torno do princípio da igualdade na soberania dos Estados, proclamado pela Carta das Nações Unidas. E nós, como a Argélia, somos a favor dessa posição. Mas esse fator está a ser ignorado pelos Estados Unidos e pelos seus aliados", acusou Lavrov.

A visita à Argélia do chefe da diplomacia russa - por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento das relações entre os dois países - serviu para renovar a cooperação militar e comercial entre os dois países, com a assinatura de um novo documento sobre as relações bilaterais.

(Com agências)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas