Escolha as suas informações

Espanha. Debate eleitoral previsível entre candidatos
Mundo 23.04.2019 Do nosso arquivo online

Espanha. Debate eleitoral previsível entre candidatos

Espanha. Debate eleitoral previsível entre candidatos

Foto: AFP
Mundo 23.04.2019 Do nosso arquivo online

Espanha. Debate eleitoral previsível entre candidatos

Quase nove milhões de telespectadores (43,8% da audiência) assistiram, ontem, em Espanha, ao primeiro debate entre os principais candidatos às eleições legislativas que se realizam no próximo domingo.

O embate que juntou Pedro Sánchez (PSOE), Pablo Casado (PP), Albert Rivera (Ciudadanos) e Pablo Iglesias (Unidas Podemos) foi previsível e acompanhou o tom geral da campanha. Sánchez, que provocou eleições antecipadas, apelou ao voto contra o extremismo de direita e recordou o resultado eleitoral na Andaluzia onde PP e Ciudadanos se apoiaram no partido de extrema-direita Vox para roubar o governo ao PSOE.

Como se esperava, apesar de não haver nenhum representante independentista presente, a Catalunha esteve sempre presente. Casado e Rivera exploraram a tensão com a região piscando o olho ao eleitorado nacionalista espanhol e repetiram várias vezes durante o debate que Sánchez pode repetir um governo com independentistas bascos e catalães e pôr em risco a unidade de Espanha.

Pablo Iglesias optou por destacar o incumprimento de vários princípios da constituição que protegem direitos sociais e defendeu que só o seu partido pode garantir um governo de esquerda. Das três vezes que perguntou a Pedro Sánchez se tenciona aliar-se ao Ciudadanos ficou sem resposta mas o candidato do PSOE ainda agradeceu o apoio do Unidas Podemos às suas medidas sociais.

Depois de um segundo embate televisivo, hoje, sobram mais três dias de campanha e o dia de reflexão antes da jornada decisiva. Também esta noite não participa o partido de extrema-direita Vox como anunciado pela Junta Eleitoral Central a pedido do líder independentista Carles Puigdemont e dos partidos Esquerda Republicana da Catalunha, Coligação Canária e Partido Nacionalista Basco que apresentaram queixa por discriminação contra os partidos mais pequenos.

De acordo com a avaliação da Junta Eleitoral Central, citada pelo El País, um debate entre os quatro maiores partidos de Espanha e o Vox “é contrário ao princípio da proporcionalidade, que deve ser respeitado pelas televisões privadas durante os períodos eleitorais”.

A menos de uma semana do plebiscito, as sondagens continuam a apontar o PSOE como favorito destacado mas ainda longe de alcançar a maioria absoluta. Terá de fazer acordos parlamentares à esquerda, com o Unidas Podemos, ou à direita, com o Ciudadanos, e também com alguns partidos independentistas, fórmula que manteve desde junho de 2018 até os partidos catalães lhe retirarem o apoio.

Bruno Amaral de Carvalho

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Espanha a 24 horas de saber se tem governo ou se volta às urnas
Já passam cinco meses das eleições legislativas e ainda não há qualquer acordo entre PSOE e Unidas Podemos que possa desbloquear o impasse de um país que espera uma solução governamental. Se até amanhã não for anunciado qualquer entendimento, Espanha regressa às urnas em novembro.
Catalunha. A guerra no paraíso
Um ano e um dia depois do 1 de outubro, em que milhões de catalães votaram sob cargas policiais que deixaram quase um milhar de feridos, a violência voltou às ruas. Os polícias foram pintados de todas as cores e os manifestantes tentaram tomar o parlamento. Aqui fica uma crónica datada de uma guerra que não acabou.
O herdeiro de Aznar ganha o Partido Popular à herdeira de Rajoy
Pablo Casado ganhou a liderança do Partido Popular com um discurso muito mais à direita do que a vice-presidente do último governo do PP, Soraya Sáenz de Santamaría. O antigo chefe de gabinete de José María Aznar pretende o rearmamento ideológico do partido para conseguir derrotar os socialistas, mas sobretudo para evitar a erosão eleitoral para o Ciudadanos.