Escolha as suas informações

Engenheira de Braga é a única portuguesa na Xbox em Redmond, Washington
Mundo 2 min. 17.06.2019

Engenheira de Braga é a única portuguesa na Xbox em Redmond, Washington

Engenheira de Braga é a única portuguesa na Xbox em Redmond, Washington

DR
Mundo 2 min. 17.06.2019

Engenheira de Braga é a única portuguesa na Xbox em Redmond, Washington

"Daqui, de longe, estou a tentar fazer o meu papel para que Portugal seja olhado com novos olhos e mostrar que há oportunidades para crescer em visibilidade", disse Catarina Macedo, engenheira de 29 anos.

As novidades apresentadas pela Microsoft na feira de videojogos E3, que decorreu em Los Angeles, tiveram a mão de Catarina Macedo, a única portuguesa que trabalha na Xbox em Redmond, perto de Seattle. A equipa da gestora de produto foi responsável pelas funcionalidades sociais da nova subscrição GamePass para computador portátil (PC), que a Microsoft apresentou na sua conferência na E3.

"Neste momento estamos muito focados em expandir a nossa estratégia de Xbox Live para o computador", disse à Lusa a especialista portuguesa, que esteve em Los Angeles para promover as novidades. "Historicamente, todas as funcionalidades que desenvolvíamos estavam focadas na parte da consola, mas vimos uma grande oportunidade porque o Windows também é da Microsoft e há imensas pessoas que jogam no computador", explicou.

Além das funções sociais da aplicação GamePass para PC, a equipa de Catarina Macedo também esteve envolvida no Game Bar, uma funcionalidade embebida no Windows que permite manter o contacto com os amigos no ambiente de jogo, tirar capturas de ecrã e partilhar vídeos, por exemplo. "Gosto do facto de a nossa equipa se estar a focar no PC, porque queremos chegar aos dois mil milhões de utilizadores e para isso temos de ter produtos e ofertas para todas as pessoas, e não só para aquelas que têm a [consola] Xbox em casa", afirmou a responsável portuguesa.

O líder global da Xbox, Phil Spencer, disse na apresentação em Los Angeles que o número de jogadores em todo o mundo já ultrapassa os dois mil milhões, sendo esse um universo potencial a que a Microsoft quer chegar. 

O trabalho que está a fazer na Xbox era um sonho antigo de Catarina Macedo, engenheira de formação, que começou a jogar de forma competitiva ainda na adolescência.

A falta de oportunidades nesta indústria em Portugal levou-a a olhar para fora, apesar de acreditar que existe potencial no mercado e que a Xbox poderá ocupar um espaço mais relevante entre os jogadores portugueses que o que tem agora. "Daqui, de longe, estou a tentar fazer o meu papel para que Portugal seja olhado com novos olhos e mostrar que há oportunidades para crescer em visibilidade", disse.

Em Seattle, onde reside há quase três anos, a gestora encontrou uma pequena comunidade portuguesa de profissionais altamente qualificados, ligados ao ecossistema de startups, a trabalhar na Microsoft ou noutras tecnológicas, como a Amazon. "Recentemente tenho colegas mais novos que se mudaram de Portugal para cá e isso tem sido muito bom", revelou, notando que a comunidade é composta sobretudo por pessoas mais velhas, que chegaram a Washington há bastante tempo.

A adaptação "custou mais no início", disse a engenheira de 29 anos, frisando que as grandes diferenças culturais e de organização do trabalho obrigaram a um esforço suplementar no primeiro ano.

"Agora começa a ficar mais fácil, porque a minha casa já é em Seattle, não em Portugal", referiu, revelando que não tem intenção de regressar ao país para lá dos períodos de férias e que estar longe da família "é o preço a pagar para seguir os sonhos".

Lusa