Escolha as suas informações

Enfermeiros denunciam UE e outros países por “bloquearem” patentes de vacinas
Mundo 2 min. 29.11.2021
Pandemia

Enfermeiros denunciam UE e outros países por “bloquearem” patentes de vacinas

Pandemia

Enfermeiros denunciam UE e outros países por “bloquearem” patentes de vacinas

Foto: AFP
Mundo 2 min. 29.11.2021
Pandemia

Enfermeiros denunciam UE e outros países por “bloquearem” patentes de vacinas

Lusa
Lusa
Queixa foi apresentada na ONU, pelo sindicato mundial de enfermeiros Global Nurses Union e a Progressive International, numa altura em que surge uma nova variante do coronavírus na África do Sul.

Sindicatos de enfermeiros de 28 países, incluindo Portugal, apresentaram, esta segunda-feira, uma queixa na ONU contra a União Europeia, Reino Unido e três outros países por “bloquearem" o levantamento da propriedade intelectual para a produção de vacinas contra a covid-19. 


Pfizer promete vacina contra variante Omicron em 100 dias
O risco global da nova variante do SARS-CoV-2 foi classificado de "muito alto" pela OMS. Mas as farmacêuticas já estão a trabalhar em versões da vacina anticovid adaptadas à nova variante, caso venha a ser necessário.

A iniciativa, coordenada pelo sindicato mundial de enfermeiros Global Nurses Union e a Progressive International, uma organização internacional de ativistas e organizações alinhadas com políticas de esquerda, ganha relevância com o aparecimento de uma nova variante do coronavírus na África do Sul.

O aparecimento da nova variante B.1.1.529, afirmou a dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, Guadalupe Simões, é mais uma prova da urgência para as patentes serem levantadas.  

“Enquanto os países ocidentais não perceberem ou, percebendo, não fizerem nada no sentido de libertar as patentes das vacinas, o mundo continuará a correr sérios riscos de aumento do número de mortes (…) por aquilo que possa vir a ser uma maior agressividade de uma variante deste vírus”, afirmou à agência Lusa.

Além da União Europeia (UE), e Reino Unido, são nomeadas na queixa a Noruega, a Suíça e Singapura por terem "sistematicamente bloqueado uma renúncia temporária de direitos de propriedade intelectual farmacêutica empresarial sob o Acordo da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (Acordo TRIPS)”. 


Omicron. Nova variante vem trocar as voltas à pandemia?
À medida que os casos confirmados da nova variante se multiplicam por todo o mundo, cientistas desdramatizam situação e garantem eficácia das vacinas contra a covid-19.

A recusa em aceitar o levantamento das patentes, alegam os enfermeiros, representa uma “ameaça imediata ao direito das pessoas à saúde” e sublinham que a pandemia causou a morte de pelo menos 115.000 profissionais de saúde. 

Uma petição pública também vai ser lançada na Internet [https://covid19criminals.exposed/]. 

A proposta de suspensão das patentes industriais para a produção de vacinas e tratamentos à covid-19 foi feita no ano passado pela África do Sul e Índia na Organização Mundial do Comércio (OMC) para acelerar o fabrico e distribuição de vacinas a países em desenvolvimento. 

Segundo o comunicado, 45% da população mundial ainda não recebeu sequer uma dose da vacina covid-19, isto apesar de muitos dos países ricos terem mais de 80% das suas populações imunizadas e estarem já a administrar terceiras doses de reforço.


Só uma em cada sete doses de vacinas prometidas aos países pobres foi entregue
As farmacêuticas ocidentais entregaram apenas 12% das doses que era previsto alocar à Covax, a plataforma de ajuda aos países mais pobres para acesso às vacinas contra a covid-19, diz relatório de ONGs.

A iniciativa acontece poucos dias antes de a questão ser discutida na reunião ministerial da OMC de 30 de novembro a 03 de dezembro em Genebra. 

Guadalupe Simões considerou que manter a propriedade intelectual sobre as vacinas equivale à "comercialização do direito à saúde, tanto mais que estas vacinas foram construídas e foram descobertas com fundos públicos europeus”.

A manutenção das patentes sobre as vacinas, enfatiza a dirigente do Sindicato de Enfermeiros Portugueses, "coloca em causa a segurança das pessoas em Portugal” e no resto do mundo.  

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A limitação de viagens de ou para África só pode ser o resultado de uma postura colonial dos governos do norte global e das farmacêuticas ao seu serviço.
Cidadãos nigerianos aguardam a toma da vacina contra a covid-19, obrigatória para os funcionários públicos do país desde 1 de dezembro.