Escolha as suas informações

Emirados Árabes Unidos acabam formalmente com boicote a Israel
Mundo 2 min. 29.08.2020

Emirados Árabes Unidos acabam formalmente com boicote a Israel

Emirados Árabes Unidos acabam formalmente com boicote a Israel

AFP
Mundo 2 min. 29.08.2020

Emirados Árabes Unidos acabam formalmente com boicote a Israel

Lusa
Lusa
Acordo foi fundamental para impedir Israel de levar a cabo o plano de anexação das terras ocupadas da Palestina.

O atual governante dos Emirados Árabes Unidos emitiu um decreto que encerra formalmente o boicote do país a Israel, num acordo intermediado pelos EUA para normalizar as relações entre os dois países.

Segundo a agência Associated Press (AP), o acordo, que abriu relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, foi anunciado em 13 de agosto e exigiu que Israel parasse com o seu objetivo de anexar terras ocupadas da Cisjordânia procuradas pelos palestinos.

A agência de notícias estatal WAM disse que a medida que acabou formalmente com o boicote foi feita por ordem de Khalifa bin Zayed Al Nahyan, o governante de Abu Dhabi e líder dos Emirados.


Imprensa israelita diz que há acordo de armas por trás do pacto entre Israel e Emirados Árabes Unidos
O estabelecimento de relações diplomáticas plenas entre os dois países, anunciado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na quinta-feira.

A WAM disse que o novo decreto permite que empresas israelitas façam negócios nos Emirados Árabes Unidos, bem como a compra e o comércio de mercadorias israelitas.

"O decreto resulta dos esforços dos Emirados Árabes Unidos para expandir a cooperação diplomática e comercial com Israel", disse a WAM, referindo que o documento estabelece "um roteiro para o lançamento da cooperação conjunta, levando às relações bilaterais, estimulando o crescimento económico e promovendo a inovação tecnológica".

Na segunda-feira, o primeiro voo comercial direto da principal companhia aérea de Israel, El Al, é esperado em Abu Dhabi, transportando autoridades dos EUA e israelitas, incluindo o genro do presidente Donald Trump, Jared Kushner.

O decreto elimina formalmente uma lei de 1972 dos Emirados Árabes Unidos, que espelhava a postura amplamente defendida pelas nações árabes naquela época de que o reconhecimento de Israel só viria depois que os palestinos tivessem um estado independente próprio.

Os Emirados Árabes Unidos estão a tornar-se a terceira nação árabe, depois do Egito e da Jordânia, a ter atualmente relações diplomáticas com Israel.

No entanto, embora a desconfiança pública generalizada de Israel persista nessas nações, os Emirados Árabes Unidos nunca travaram uma guerra contra Israel.

Nos últimos anos, os Emirados Árabes Unidos mantiveram conversações tranquilas com Israel e permitiram que israelitas com segundo passaporte entrassem no país para comércio e negociações.

O príncipe herdeiro de Abu Dhabi, xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan, tem sido o governante dos Emirados Árabes Unidos desde que Xeque Khalifa, que mantém ainda o título de presidente, sofreu um derrame a 24 de janeiro de 2014 e foi submetido a uma cirurgia de emergência.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas