Escolha as suas informações

Em Itália: Chefes da diplomacia do G7 pressionam Rússia a terminar apoio a Bashar al-Assad
Mundo 10.04.2017

Em Itália: Chefes da diplomacia do G7 pressionam Rússia a terminar apoio a Bashar al-Assad

Vladimir Putin

Em Itália: Chefes da diplomacia do G7 pressionam Rússia a terminar apoio a Bashar al-Assad

Vladimir Putin
Foto: AFP
Mundo 10.04.2017

Em Itália: Chefes da diplomacia do G7 pressionam Rússia a terminar apoio a Bashar al-Assad

Os ministros dos Negócios estrangeiros do G7 reuniram-se hoje em Itália onde abordaram o alegado ataque químico na Síria e a resposta dos EUA, e pressionaram a Rússia para terminar o seu apoio ao Presidente Bashar al-Assad.

Os ministros dos Negócios estrangeiros do G7 reuniram-se hoje em Itália onde abordaram o alegado ataque químico na Síria e a resposta dos EUA, e pressionaram a Rússia para terminar o seu apoio ao Presidente Bashar al-Assad.

Na semana passada, na sequência do ataque químico protagonizado por aviões sírios sobre a cidade rebelde de Khan Sheikhoun, que vitimou mais de 80 pessoas, o Presidente dos EUA Donald Trump ordenou uma ação militar contra as forças sírias, considerado o primeiro desde o início da guerra em 2011.

Navios de guerra norte-americanos dispararam 59 mísseis de cruzeiro em direção à base síria de onde, segundo os EUA, terá sido desencadeado o ataque.

No entanto, em setembro de 2016, e quando vigorava uma trégua, aviões norte-americanos bombardearam posições do exército sírio provocando 62 mortos e mais de 1000 feridos, abrindo o caminho para uma ofensiva do grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI). Na ocasião, os responsáveis norte-americanos referiram-se a um erro, mas as autoridades sírias referiram-se um ataque deliberado.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse hoje na reunião que o seu país vai punir "todos aqueles" que cometam "crimes contra pessoas inocentes".

O encontro na cidade de Lucca, na Toscânia, junta os chefes da diplomacia dos sete países mais industrializados do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI): Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Japão, Canadá e da anfitriã Itália, para além da representação da União Europeia. Em 2014 a Rússia foi expulsa do grupo na sequência da anexação da Crimeia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Síria: Portugal defende posição da ONU e da UE
Portugal "compreende" os aliados que actuam em retaliação a "crimes de guerra" disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros referindo-se ao bombardeamento norte-americano contra a Síria sublinhando que são precisas posições unidas da ONU e da União Europeia (UE).
Augusto Santos Silva, MNE Portugal
Teerão: Rússia e Irão condenam ataque dos EUA à Síria
O Presidente russo classificou hoje o ataque dos Estados Unidos contra uma base síria como "uma agressão" com um “pretexto inventado”, e disse que a ação de Washington prejudica as relações entre os dois países. Também o Governo de Teerão condenou o ataque dos EUA.
Wladimir Putin spricht im Zusammenhang mit dem Raketenangriff von einem "erdachten Vorwand".