Escolha as suas informações

Eficácia da vacina AstraZeneca baixa para 76%
Mundo 2 min. 25.03.2021 Do nosso arquivo online

Eficácia da vacina AstraZeneca baixa para 76%

Eficácia da vacina AstraZeneca baixa para 76%

Foto: Nicolas Armer/dpa
Mundo 2 min. 25.03.2021 Do nosso arquivo online

Eficácia da vacina AstraZeneca baixa para 76%

Farmacêutica reviu eficácia de 79% para 76% depois de críticas nos Estados Unidos sobre atualização dos dados da vacina. O grupo está também novamente debaixo de fogo na Europa depois da descoberta de 29 milhões de doses num armazém em Roma.

 A farmacêutica AstraZeneca baixou a eficácia da sua vacina contra a covid-19 de 79% para 76%, depois de críticas nos Estados Unidos que acusaram a empresa de fornecer dados incompletos, ao indicar uma taxa de eficácia maior do que a aquela que tinha previamente referido em ensaios clínicos fora do país.

Na segunda-feira, o grupo farmacêutico anglo-sueco anunciou que a vacina tinha uma eficácia de 79%, mas um painel independente de peritos do Instituto de Alergias e Doenças Infecciosas norte-americano (NIAID), dirigido pelo imunologista Anthony Fauci, que aconselha a administração do Presidente norte-americano, Joe Biden, para os assuntos da covid-19, manifestou preocupação de que os dados utilizados para o estudo pudessem estar desatualizados.

Foi então pedido à AstraZeneca para trabalhar com o painel de peritos no sentido de rever e atualizar os dados de eficácia da vacina.


Comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides
UE. Exportar vacinas vai ser mais difícil
Comissão defende que a terceira vaga está a chegar e tem que garantir que os países têm as vacinas que precisam. As variantes estão a levar a covid-19 a explodir de novo.

Os novos dados, muito semelhantes aos resultados originais, apontaram então para uma revisão de 79% para 76%, continuando a indicar 85% de eficácia contra casos sintomáticos de covid-19 entre pessoas com mais de 65 anos e 100% de eficácia contra casos graves da doença ou hospitalizações.

O estudo envolveu 32.449 voluntários nos Estados Unidos, no Chile e no Peru que receberam duas doses da vacina AstraZeneca ou um placebo.

"A análise principal é consistente com a análise intercalar publicada anteriormente e confirma que a vacina covid-19 é altamente eficaz em adultos, incluindo aqueles com 65 anos de idade ou mais", afirma, em comunicado, o vice-presidente executivo da AstraZeneca, Mene Pangalos.

Os Estados Unidos já compraram 300 milhões de doses da vacina AstraZeneca, mas ainda não autorizaram a sua utilização no país, tendo já dezenas de milhões em armazém a aguardar por essa autorização, assim como aprovada a partilha de 2,5 milhões de doses com o México e de 1,5 milhões com o Canadá.

Comissão Europeia pede explicações sobre 29 milhões de doses retidas em Roma

A retenção em armazéns de milhões de doses e os atrasos no cumprimento de contrato com a União Europeia levaram esta semana a Comissão Europeia a fazer novo aviso ao bloqueio de exportação das vacinas, no mesmo dia em que foram descobertas 29 milhões de doses vacinas da AstraZeneca num armazém nos arredores de Roma.

Segundo o diário italiano La Stampa, as vacinas foram encontradas no decorrer de uma inspeção desencadeada pela Comissão e desconhece-se a que países se destinavam, sendo que a farmacêutica ainda só entregou uma parte das 90 milhões de doses encomendadas pela União Europeia.


Maioria da população pretende ser vacinada mas quer escolher a marca da vacina
Três em cada quatro inquiridos consideram que a campanha de vacinação é demasiado lenta no Luxemburgo e que é preciso acelerar o processo.

A AstraZeneca anunciou a entrega de 30 milhões de doses, à União Europeia, no primeiro trimestre deste ano, mas Valdis Dombrovskis, comissário do comércio europeu, afirma, citado pelo Financial Times, que a quantidade de vacinas entregue pelo fabricante "nem sequer está perto deste número".

A União Europeia terá recebido até à data 19 milhões de doses daquele grupo e exige mais transparência e a garantia dos princípios acordados nos contratos com a farmacêutica. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas