Escolha as suas informações

Donald Trump retirado por Serviços Secretos de conferência de imprensa
Mundo 2 min. 11.08.2020

Donald Trump retirado por Serviços Secretos de conferência de imprensa

Donald Trump retirado por Serviços Secretos de conferência de imprensa

Foto: AFP
Mundo 2 min. 11.08.2020

Donald Trump retirado por Serviços Secretos de conferência de imprensa

AFP
AFP
Um agente dos Serviços Secretos, que tem a função de proteger o Presidente norte-americano, retirou Donald Trump repentinamente da sala na Casa Banca no momento em que estava a começar uma conferência de imprensa. Homem armado encontrava-se fora da Casa Branca e foi baleado pelas autoridades.

Donald Trump estava a fazer o briefing diário à imprensa sobre a covid-19 quando um segurança se aproximou, ao que Donald Trump perguntou: "Desculpe-me?". Trump saiu então calmamente da sala, seguido pelo seu pessoal, depois de o agente lhe ter deixado escapar algumas explicações ao ouvido. No regresso à sala afirmou que o incidente não foi "nada de especial". "Sinto-me seguro com os Serviços Secretos. São pessoas fantásticas, as melhores das melhores", disse ele sobre a agência federal. 

Ao regressar, disse que os agentes dos Serviços Secretos dispararam sobre uma pessoa "no exterior da Casa Branca", a qual, acrescentou, "estava armada". "A polícia matou alguém", disse Trump aos repórteres no regresso, após alguns minutos de interrupção. "Os Serviços Secretos podem confirmar que um agente usou a sua arma na esquina da rua 17 com a Avenida Pensilvânia", um cruzamento perto da Casa Branca. 

A polícia acrescentou ainda que um "homem" e um "agente dos Serviços Secretos" foram levados para um hospital próximo, e assegurou que em "nenhum momento" o complexo da Casa Branca tinha sido violado. 

Indivíduo colocou-se em "posição de atirador furtivo"

Os Serviços Secretos relataram a cena em pormenor numa declaração transmitida no Twitter. O homem de 51 anos aproximou-se de um oficial dos Serviços Secretos na esquina da Rua 17 com a Avenida Pensilvânia, a um quarteirão da Casa Branca. O suspeito disse ao oficial que tinha uma arma e correu "agressivamente" na sua direção, tirando algo da roupa. Colocou-se em  "posição de atirador furtivo", e o oficial dos Serviços Secretos disparou sobre o peito. A polícia isolou uma grande área à volta da Casa Branca. 

Philipos Melaku, um manifestante que acampou fora da Casa Branca durante anos, disse ter ouvido uma voz de "homem" pouco antes de um disparo "Ouvi um tiro e pouco antes disso ouvi gritos que não eram inteligíveis", contou à AFP. "Imediatamente a seguir, pelo menos oito ou nove homens entraram a correr a apontar as suas AR-15", acrescentou ele, "espingardas de assalto".

O Presidente dos Estados Unidos da América estava a dar o seu briefing diário à imprensa quando um agente encarregado da sua segurança se aproximava. Donald Trump perguntou-lhe: "Desculpe-me?" ele interrompeu, antes de sair calmamente da sala, seguido pelo seu pessoal, depois de o agente lhe ter deixado escapar algumas explicações ao ouvido. "Abanado? (...). O mundo tem sido sempre um lugar perigoso. Não é algo especial", o republicano respondeu a uma pergunta no seu regresso. "Pode não ter nada a ver comigo", disse ele.

 "Sinto-me seguro com os Serviços Secretos. São pessoas fantásticas, as melhores das melhores", disse ele sobre a agência federal que fornece protecção próxima ao líder dos EUA e a outros políticos americanos. Donald Trump retomou então a sua conferência de imprensa centrada na pandemia e na economia americana.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas