Escolha as suas informações

Dinamarca vai enviar migrantes indesejados para ilha remota
Mundo 04.12.2018

Dinamarca vai enviar migrantes indesejados para ilha remota

Até 2021, o governo dinamarquês espera descontaminar a ilha de Lindholm e criar instalações para alojar cerca de 100 migrantes.

A Dinamarca pretende banir para uma ilha remota requerentes de asilo cujos pedidos tenham sido rejeitados ou que tenham cadastro, indicou hoje um deputado de um partido apoiante do Governo dinamarquês à Lusa.   

Ilha de Lindholm
Ilha de Lindholm

O plano, adotado na sexta-feira pelo Governo e pelo Partido Popular Dinamarquês – a garantirem ambos os 90 votos para obterem uma maioria -, consiste em descontaminar a ilha desabitada e criar instalações para migrantes para alojar cerca de 100 pessoas em 2021.

Segundo Martin Henriksen, deputado do Partido Popular Dinamarquês, uma formação anti-imigração que apoia o Governo de centro-direita, a iniciativa do executivo “é um sinal para todo o mundo de que a Dinamarca não é atrativa” para migrantes.

Ilha de Lindholm vista no Google Maps
Ilha de Lindholm vista no Google Maps

Embora considerando que esse projeto do Governo pode representar uma violação do direito internacional, Henriksen acrescentou que o seu partido não “se importa de desafiar as convenções [internacionais]”.


A Dinamarca tem um problema de habitação. O Governo vai construir uma ilha para o resolver
O Governo dinamarquês vai construir uma ilha na capital do país, Copenhaga, para acomodar 35 mil habitantes.

A isolada ilha de Lindholm foi, até ao verão passado, um local de experiências laboratoriais do Instituto de Veterinária do Estado, que estava a investigar doenças animais contagiosas.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.