Escolha as suas informações

Descoberta cianobactéria responsável pela morte de 300 elefantes no Botswana
Mundo 22.09.2020

Descoberta cianobactéria responsável pela morte de 300 elefantes no Botswana

Descoberta cianobactéria responsável pela morte de 300 elefantes no Botswana

Foto: Shutterstock
Mundo 22.09.2020

Descoberta cianobactéria responsável pela morte de 300 elefantes no Botswana

Os investivadores ainda não conseguiram explicar por que razão este organismo não provocou a morte de nenhuma outra espécie na região.

As autoridades do Botswana anunciaram que as toxinas produzidas por cianobactérias na água são responsáveis pela morte de mais de 300 elefantes no Botswana este ano em circunstâncias que são ainda desconhecidas.

"O que sabemos neste momento é que é uma toxina causada por cianobactérias", afirmou Cyril Taolo, diretor adjunto do Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais deste país africano, de acordo com a Reuters.

O responsável acrescentou que foi encontrado um total de 330 restos mortais destes paquidermes desde maio, recordando que só em julho houve 281 mortes em circunstâncias semelhantes. Organizações e peritos independentes acreditam que o número real é mais elevado.

As cianobactérias são microorganismos que se encontram frequentemente na água e, em menor grau, no solo. Embora nem todas sejam tóxicas, os peritos advertem que o aquecimento global favorece a propagação de organismos que produzem toxinas.

De acordo com Taolo, não foram encontrados mais elefantes mortos por esta razão, mas as autoridades dizem que vão continuar a acompanhar de perto a situação durante a próxima estação de chuvas.


Ambiente. Cinco a seis novas epidemias por ano poderão em breve afetar a população da Terra
Cientistas vão alertar os líderes mundiais para o facto de que um "número crescente de novas pandemias mortíferas" irá afligir o planeta se os níveis de desflorestação e perda de biodiversidade continuarem às suas atuais taxas catastróficas.

No entanto, o veterinário principal do departamento, Mmadi Reuben, sublinhou que falta determinar porque é que o microrganismo não matou de forma semelhante qualquer outra espécie na região.

Já Patricia Glibert, professora na Universidade de Maryland e especialista em bactérias, adverte que a temperatura média no continente africano está a aumentar duas vezes mais do que no resto do planeta, criando condições favoráveis à proliferação de cianobactérias tóxicas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.