Escolha as suas informações

Depois dos Estados Unidos, Rússia abandona Tratado Céus Abertos da OSCE
Mundo 15.01.2021

Depois dos Estados Unidos, Rússia abandona Tratado Céus Abertos da OSCE

Depois dos Estados Unidos, Rússia abandona Tratado Céus Abertos da OSCE

Foto: AFP
Mundo 15.01.2021

Depois dos Estados Unidos, Rússia abandona Tratado Céus Abertos da OSCE

A Rússia anunciou esta sexta-feira que se vai retirar do Tratado Céus Abertos da Organização de Segurança e Cooperação Europeia (OSCE), um pacto multilateral para a transparência e controlo de armas abandonado anteriormente pelos Estados Unidos.

"Devido à ausência de progressos no momento de se eliminarem obstáculos para preservar o tratado, em novas condições, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia anuncia o início dos procedimentos internos para a retirada da Federação Russa do Tratado Céus Abertos", indica um comunicado da diplomacia russa emitido hoje.

O tratado internacional Céus Abertos (Open Skies Treaty) permite voos de observações sobre instalações militares entre os países signatários. Os Estados Unidos abandonaram o tratado no passado dia 22 de novembro sendo que a posição russa anunciada hoje já era previsível.

O Ministério disse que depois do tratado ter saído de Washington, Moscovo apresentou várias propostas específicas relativas a disposições fundamentais do pacto para manter a sua viabilidade nas novas condições, mas "não receberam apoio dos aliados dos EUA". 

O tratado pretendia estabelecer bases de confiança entre a Rússia e o Ocidente permitindo os voos de reconhecimentos entre mais de trinta países na recolha de informações militares. 

Em maio de 2020, o Presidente norte-americano cessante, Donald Trump, anunciou a intenção de Washington em retirar os Estados Unidos do tratado argumentando violações por parte da Rússia, o que veio a concretizar em novembro.

Moscovo negou reiteradamente as violações ao tratado alcançado em 2002 tendo a União Europeia pedido aos Estados Unidos reconsiderar a saída do pacto. 

Na altura Moscovo afirmou que a retirada de Washington afetava a segurança global tornando mais difícil aos governos a interpretação das intenções de outros Estados e afetando em particular as tensões entre a Rússia e o Ocidente. 

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Casa Branca: Trump promulga sanções contra Rússia
O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou hoje, apesar das suas reservas, as novas sanções económicas contra a Rússia, aprovadas pelo Congresso para punir Moscovo pela ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas, anunciou a Casa Branca.
US President Donald Trump and Russia's President Vladimir Putin shake hands during a meeting on the sidelines of the G20 Summit in Hamburg, Germany, on July 7, 2017.