Escolha as suas informações

Covid-19. Os crimes que estão a aumentar com a pandemia
Mundo 3 min. 29.03.2020

Covid-19. Os crimes que estão a aumentar com a pandemia

Covid-19. Os crimes que estão a aumentar com a pandemia

AFP
Mundo 3 min. 29.03.2020

Covid-19. Os crimes que estão a aumentar com a pandemia

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A Europol alerta para os esquemas, agressões e abusos graves dos criminosos que se aproveitam da crise do coronavírus que se vive no mundo.

À medida que avança a propagação do novo coronavírus pelo planeta estão também a aumentar o número de novas e 'velhas' atividades criminosas. E vão continuar a crescer, prevê a Europol.

Fraudes em compras e ofertas online de produtos e falsos medicamentos ou de qualidade duvidosa, ‘roubo’ de passwords de contas bancárias, assaltos a casas e a idosos, pedofilia, violência doméstica... o rol dos crimes que estão a crescer à velocidade da propagação do novo coronavírus não é pequeno nem inofensivo. O Luxemburgo e Portugal não são exceção.


Atenção a estas fraudes com o coronavírus. Não se deixe enganar
Conheça os esquemas e burlas que estão acontecer, feitos por quem se aproveita da crise para extorquir dinheiro ou assaltar casas. O alerta é da prefeitura de Moselle.

A pandemia de covid-19 não é apenas um problema de saúde grave, de crise sanitária, significa também um risco ao nível da cibersegurança e outros crimes, alerta um novo relatório da Europol “Como os criminosos de aproveitam da Covid-19”, divulgado sexta-feira.

Rapidez e novos esquemas

“Os criminosos foram rápidos em aproveitar as oportunidades da pandemia para explorar a crise, adaptando os seus 'modi operandi' ou criando novos esquemas e atividades criminosas a esta situação de crise mundial”, avança a polícia europeia prevendo que "Durante as próximas semanas ou meses" estes crimes "vão aumentar".

As polícias dos países europeus têm-se deparado com novas formas dos criminosos obterem ganhos ilegítimos “aproveitando-se das ansiedades e medos das vítimas durante a crise”.

As fraudes telefónicas, informáticas e esquemas de suposta descontaminação de casas usados para assaltar sobretudo idosos, são disso exemplo.

Fraudes informáticas

A nível informático ou mesmo por telefone, atenção para os pedidos de passwords de contas bancárias ou cartão de crédito, uma das formas generalizadas de 'roubo' de dinheiro.


Luxemburgo. Tentam assaltar idosos em Mamer sob pretexto desinfeção do coronavírus
Dois indivíduos vestidos com macacões brancos e conduzindo uma carrinha de matrícula belga tentaram burlar um casal em casa, no cantão de Capellen. Polícia investiga.

E não são só os cidadãos que podem ser enganados desta forma. Empresas e governos também já foram burlados. A Europol dá como exemplo uma investigação que está a desenvolver de uma transferência de 6,6 milhões de euros por uma empresa para outra sediada em Singapura como pagamento antecipado de gel desinfetante e máscaras de proteção contra o contágio. “Os produtos nunca chegaram ao destino”.

Produtos e medicamentos falsificados

“A venda de produtos falsificados de assistência médica e sanitária, bem como equipamentos de proteção individual e produtos farmacêuticos [os da fotografia de abertura são legais] falsificados tem aumentado muito desde o início da crise”, explica a Europol. Os criminosos aproveitam-se da escassez destes produtos para os falsificarem e venderem, quer online, por telefone, ou mesmo pessoalmente.

“Entre 3 e 10 de março de 2020, mais de 34.000 máscaras cirúrgicas falsificadas foram apreendidas pelas autoridades policiais em todo o mundo como parte da Operação PANGEA, apoiada pela Europol”, exemplifica a polícia europeia. 

Assaltos porta-a-porta

Há quem se dirija mesmo a casa dos cidadãos, sobretudo de pessoas idosas, em nome das autoridades da saúde, ou do governo com esquemas de falsa desinfeção das habitações particulares, comerciais ou empresas, mesmo as “instalações médicas”. Tentativas destas já aconteceram no Luxemburgo  e na Bélgica e roubos em Espanha. Um esquema que tem tendência a crescer.

E dá um exemplo: “Vários Estados-Membros da UE relataram um modus operandi semelhantes para roubo. Os autores obtêm acesso a residências particulares, fazendo-se passar por funcionários sanitários ou equipas médicas para realizar falsos testes ao coronavírus aos cidadãos ou às suas habitações. Ou ainda para fornecer material informativo, ou produtos de higiene". 


Coronavírus. Falsos enfermeiros assaltam idosos em casa
Em Espanha, a polícia alerta para ladrões que passam por profissionais de saúde e esvaziam casas e agridem moradores. Em França e Portugal milhares de máscaras já foram roubadas de hospitais. É mais um lado negro da pandemia.

Risco pela vida humana

 “Embora muitas pessoas estejam comprometidas em combater esta crise e ajudar as vítimas, também há criminosos que foram rápidos em aproveitar as oportunidades para explorar a crise. Isso é inaceitável: essas atividades criminosas durante uma crise de saúde pública são particularmente ameaçadoras, graves e podem trazer riscos reais para a vida humana. Por isso, é mais do que nunca fundamental reforçar a luta contra o crime”, declara Catherine de Bolle, diretora executiva da Europol no relatório.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.