Escolha as suas informações

Covid-19: OMS compara pandemia à "gripe espanhola"
Mundo 2 min. 21.04.2020

Covid-19: OMS compara pandemia à "gripe espanhola"

Covid-19: OMS compara pandemia à "gripe espanhola"

Mundo 2 min. 21.04.2020

Covid-19: OMS compara pandemia à "gripe espanhola"

Lusa
Lusa
Há um século a pneumónica causou a morte a 100 milhões de pessoas no mundo.

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, comparou hoje a pandemia de covid-19 à chamada “gripe espanhola” que há um século matou 100 milhões de pessoas mas disse que “desastre” idêntico pode ser evitado.

Falando numa conferência de imprensa na sede da organização, em Genebra, Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu-se à epidemia de covid-19 como “o inimigo público número um”, que combina a capacidade de contágio de uma gripe com a letalidade das epidemias de MERS e SARS (síndromes respiratórios agudos provocados igualmente por coronavírus).


Há 102 anos a “pneumónica” levou os pastorinhos de Fátima e o pintor Amadeo de Souza-Cardoso
Em seis meses a gripe espanhola causou dez vezes mais mortos do que os soldados que tombaram em Angola, Moçambique, Flandres, nos quatro anos que a guerra durou.

É uma “combinação muito perigosa” que está a acontecer, como aconteceu há cem anos (1918/19) e que matou 100 milhões de pessoas, mas hoje temos “uma situação diferente”, temos tecnologias e podemos “evitar essa catástrofe” de há cem anos, afirmou.

O pior ainda está para vir

Tedros Adhanom Ghebreyesus insistiu na perigosidade do vírus, admitiu que o pior ainda possa estar para vir, mas salientou que é preciso acreditar que é possível lutar contra a doença, que requer, insistiu, solidariedade nacional e mundial. Porque sem isso “será pior”.

“Dissemos que o vírus iria surpreender os países mais desenvolvidos, e isso está a acontecer”, acrescentou, em tom dramático.

O responsável insistiu igualmente na necessidade de se olhar para as estatísticas vendo os números mas também as pessoas que eles representam, para que a pandemia de covid-19 não se transforme em quadros com números.

“Pensem nas vítimas de covid-19 como pessoas e não como números”, pediu.

Antes o diretor-geral já tinha alertado que flexibilizar as medidas de contenção não quer dizer que a doença acabou e sublinhou que os confinamentos ajudam a refrear a epidemia, mas não lhe põem fim.

Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu ainda que a OMS está a trabalhar com várias entidades para desenvolver testes à covid-19, e que os dados de estudos serológicos em vários países indicam que uma percentagem muito baixa da população está infetada com o novo coronavírus, inclusivamente em áreas fortemente infetadas.


a
Da peste negra ao coronavírus, passando pela gripe espanhola
O governo chinês introduziu o uso de uma aplicação para telemóvel que indica a ficha de quarentena: verde para quem pode sair às ruas, amarelo para quem deve ficar isolado por uma semana e, vermelho, para as pessoas que têm de ficar duas semanas isoladas.

14% da população pode ter anticorpos

A epidemiologista Maria Van Kerkhove, responsável técnica máxima na resposta da OMS à Covid-19, também presente na conferência de imprensa online, referiu que também há muitos estudos sobre esta matéria e disse que um deles, em pré-publicação, sugere que até 14% da população tenha anticorpos. Mas disse desconhecer que métodos foram usados para esses estudos.

Mas concluiu concordar que há uma percentagem da população infetada mais baixa do que a OMS estimava, o que por outro lado quer dizer que há grande parte da população mundial que ainda se pode infetar.

Maria Van Kerkhove também disse que há mais de 10 mil sequências de genoma do vírus postas à disposição dos cientistas, o que permite perceber como o vírus se está a modificar, e acrescentou que não há muitas diferenças, “o que é positivo”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

OMS. "O pior ainda está para vir"
O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde alertou esta segunda-feira que "o pior ainda está para vir" no surto do novo coronavírus, fazendo soar novos alarmes sobre a pandemia, quando muitos países estão a começar a aliviar as medidas restritivas.
Pandemia é "controlável"
Depois de elevar o surto do novo coronavírus a pandemia, a Organização Mundial diz que é possível controlar a propagação do vírus se as medidas de isolamento social foram respeitadas.
A Gripe Espanhola seria hoje tão devastadora?
A pandemia de 1918-1919 matou mais de 20 milhões de pessoas no mundo, só em Portugal, mais de 100 mil. Atualmente seria assim tão mortal? Podem os estudos sobre este flagelo ajudar nos planos de combate à pandemia do novo coronavírus? As respostas do especialista.