Escolha as suas informações

Covid-19. Número real de mortes no Irão pode ser o triplo do reportado pelas autoridades
Mundo 2 min. 03.08.2020

Covid-19. Número real de mortes no Irão pode ser o triplo do reportado pelas autoridades

Covid-19. Número real de mortes no Irão pode ser o triplo do reportado pelas autoridades

Foto: AFP
Mundo 2 min. 03.08.2020

Covid-19. Número real de mortes no Irão pode ser o triplo do reportado pelas autoridades

Primeira morte terá ocorrido cerca de um mês antes do primeiro caso positivo confirmado oficialmente, refere investigação da BBC.

O número de mortes por covid-19, no Irão, é cerca do triplo do reportado pelas autoridades do país. Os números são do próprio governo mas não correspondem aos que foram divulgados publicamente, segundo uma investigação da BBC, que parte de dados governamentais para esta recontagem.

De acordo com esses registos, entre 22 de janeiro e 20 de julho, morreram 42 mil pessoas com sintomas de covid-19, mais 27.595 que os 14.405 reportados pelo Ministério da Saúde iraniano. 


Número de óbitos no Irão é o mais alto desde início da pandemia
O Ministério da Saúde do Irão anunciou este domingo mais 163 mortes nas últimas 24 horas relacionadas com a covid-19, ultrapassando o recorde diário desde o início da pandemia.

Os novos dados mostram também uma diferença de quase o dobro entre o número real de infetados e o número oficial:  451.024 face aos 278.827 divulgados.

Discrepância nos números já tinha sido denunciada

A tese de que o governo do país não tem estado a divulgar os verdadeiros números da pandemia não é nova. 

Atualmente a enfrentar o que poderá ser uma segunda vaga, o Irão foi dos primeiros países fora da China a ser afetado com gravidade pelo novo coronavírus e desde essa altura que pessoas de vários setores, de profissionais de saúde a jornalistas, questionaram a veracidade dos dados oficiais, alegando que seriam muito superiores.

A investigação que agora surge tem como base documentos que não terão sido divulgados pelas autoridades oficiais. Esses registos foram enviados para a estação britânica por uma fonte anónima.

Os dados a que a BBC teve acesso incluem detalhes de admissões diárias de pacientes em hospitais de todo o país, com nomes, idades, género, sintomas, data e período de internamento, e sintomas subjacentes que os pacientes possam ter tido. 

Apesar de dizer que não é possível confirmar se a fonte que passou a informação pertence a algum departamento do governo ou a forma como teve acesso a esses documentos, a BBC confirma que os pormenores contidos nessas listas médicas correspondem aos dados de pacientes e de pacientes já falecidos que já eram do conhecimento da estação.

Primeira morte um mês antes da primeiro caso confirmado    

"A discrepância entre os gráficos oficiais e o número de mortes nestes registos também corresponde à diferença calculada entre esses gráficos e o excesso de mortalidade ocorrida até meados de junho."

Segundo a BBC, as listas e registos médicos enviados, pela fonte, mostram que a primeira morte por covid-19 foi registada a 22 de janeiro, quase um mês antes do primeiro caso positivo confirmado oficialmente.  




Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.