Escolha as suas informações

Covid-19. Itália alarga teletrabalho e restringe funcionamento de restaurantes
Mundo 2 min. 19.10.2020

Covid-19. Itália alarga teletrabalho e restringe funcionamento de restaurantes

Covid-19. Itália alarga teletrabalho e restringe funcionamento de restaurantes

Foto: Fabio Sasso/ZUMA Wire/dpa
Mundo 2 min. 19.10.2020

Covid-19. Itália alarga teletrabalho e restringe funcionamento de restaurantes

Lusa
Lusa
O princípio é limitar ao máximo os ajuntamentos, propícios à transmissão da infeção da covid-19, tanto em espaços públicos como privados.

 Itália vai adotar novas medidas para travar a covid-19, como o alargamento do teletrabalho e restrições ao funcionamento de bares e restaurantes, anunciou hoje o primeiro-ministro, no dia em que o país registou novo recorde de infeções.

Segundo Giuseppe Conte, as medidas permitirão "enfrentar a nova vaga de contágios que atinge severamente a Itália e a Europa".

"Não podemos perder tempo. Temos de adotar as medidas para evitar um novo confinamento generalizado, que pode colocar gravemente em perigo a economia", justificou o chefe do Governo italiano, numa conferência de imprensa, no Palácio Chigi, sede do Governo, em Roma.

O princípio é limitar ao máximo os ajuntamentos, propícios à transmissão da infeção da covid-19, tanto em espaços públicos como privados.

Os restaurantes, que terão de indicar no exterior a sua lotação máxima, só podem ter seis pessoas por mesa e devem fechar o mais tardar à meia-noite, enquanto os bares às 18:00 se não tiverem serviço de mesa.

O regime de teletrabalho deve ser estendido a 75% dos funcionários do setor público, uma regra recomendada às empresas privadas. As reuniões de trabalho devem ser feitas preferencialmente por videoconferência.

O teletrabalho permitirá reduzir a pressão sobre os transportes públicos, que devem limitar a sua lotação, especialmente nas horas de ponta, para salvaguardar o devido distanciamento físico entre passageiros.

O ensino à distância será privilegiado, mas, quando presencial, as entradas e saídas dos alunos das escolas devem ser feitas de forma a evitar aglomerações.

Os festivais e feiras locais, que representam 34 mil empregos e 900 milhões de euros de faturação anual, passam a estar interditos, tal como os desportos coletivos amadores.

Os presidentes dos municípios podem encerrar, a partir das 21:00, ruas ou lugares onde se poderão formar multidões.

Itália registou 11.705 novos casos de infeção da covid-19 nas últimas 24 horas, quase mais 800 do que no sábado, o que representa o maior aumento desde o início da pandemia, de acordo com dados hoje divulgados pelas autoridades de saúde.

Primeiro país europeu atingido pela pandemia, a Itália contabiliza 36.543 mortes entre os mais de 414.000 casos confirmados de infeção.

Desde 07 de outubro que o uso de máscara no exterior é obrigatório, arriscando os prevaricadores a uma multa que pode chegar aos mil euros. O estado de emergência no país foi prolongado até 31 de janeiro.

A pandemia da covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e quase 40 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (43.646 mortos, mais de 722 mil casos), seguindo-se Itália (36.543 mortos, mais de 414 mil casos), Espanha (33.775 mortos, mais de 936 mil casos) e França (33.392 mortos, mais de 867 mil casos).

Em Portugal, morreram 2.181 pessoas dos 99.911 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. Itália encerra todas as atividades produtivas não essenciais
O documento suspende as atividades artesanais, dos escritórios públicos e empresas profissionais, bem como os mercados semanais, menos as relacionadas com serviços essenciais, urgentes ou de utilidade pública, impede a utilização das máquinas de venda automática e interrompe as obras em curso, exceto as hospitalares e rodoviárias.