Escolha as suas informações

G7 exigem nova investigação da OMS sobre a origem do vírus
Mundo 10.06.2021
Covid-19

G7 exigem nova investigação da OMS sobre a origem do vírus

Covid-19

G7 exigem nova investigação da OMS sobre a origem do vírus

Foto: AFP
Mundo 10.06.2021
Covid-19

G7 exigem nova investigação da OMS sobre a origem do vírus

Redação
Redação
De acordo com a Bloomberg News, o G7 também se comprometerá a entregar mil milhões de doses da vacina covid-19 durante o próximo ano.

Os líderes na cimeira do G7 apelarão a uma nova e transparente investigação da Organização Mundial de Saúde sobre as origens do coronavírus, de acordo com um projecto de comunicado divulgado pela Bloomberg. 

O apelo foi iniciado pela administração de Joe Biden e segue-se à decisão do presidente dos EUA de expandir a investigação americana sobre as origens da pandemia, com uma agência de inteligência inclinada para a teoria de que escapou de um laboratório Wuhan. O amplo consenso entre os peritos científicos continua a ser que a explicação mais provável é que a covid-19 saltou de um hospedeiro animal para o ser humano num evento natural. 

Uma investigação no terreno realizada por peritos da OMS no início deste ano concluiu que era "extremamente improvável" que a pandemia tivesse começado num laboratório.

De acordo com a Bloomberg News, o G7 também se comprometerá a entregar mil milhões  de doses da vacina covid-19 durante o próximo ano para acelerar a protecção global contra a doença. 

 A medida pode decepcionar as agências de ajuda que queriam que a maioria dos 8 mil milhões de pessoas do mundo sejam vacinadas, mas o comunicado argumentará que o novo compromisso aumentará drasticamente o número de dos países em desenvolvimento a ter acesso à vacina. Antes da sua chegada à cimeira, Biden disse que os EUA se comprometeriam a comprar 500 milhões de doses para distribuição aos países em desenvolvimento. 

 O comunicado deverá ser finalizado no domingo, após uma reunião de três dias na Cornualha. Na cimeira de 2020 em França, os líderes abandonaram a publicação de uma lista de compromissos depois de Donald Trump se ter recusado a assinar a carta. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.