Escolha as suas informações

Covid-19. EUA autorizam cloroquina nos hospitais e prevêem mais de 100 mil mortos
Mundo 30.03.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. EUA autorizam cloroquina nos hospitais e prevêem mais de 100 mil mortos

Covid-19. EUA autorizam cloroquina nos hospitais e prevêem mais de 100 mil mortos

Foto: AFP
Mundo 30.03.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. EUA autorizam cloroquina nos hospitais e prevêem mais de 100 mil mortos

Nuno RAMOS DE ALMEIDA
Nuno RAMOS DE ALMEIDA
A autoridade reguladora dos medicamentos norte-americana (FDA) autorizou este domingo a utilização da cloroquinina, normalmente usada para tratar o paludismo, nos hospitais como forma de tratamento do covid-19.

As palavras de Donald Trump, desta vez, repetem o que disse o seu conselheiro científico no combate ao coronavírus, Anthony Fauci : "Se ficarmos nos 100.000 mortos teremos feito um grande trabalho".

O Presidente dos EUA anunciou que o pico da doença, no seu país, pode ser atingido nas próximas duas semanas. O que impede a ideia que tinha de acabar com a quarentena durante a Pascoa. "Era só uma meta e uma aspiração", justifica o homem mais poderoso do mundo. "Hoje sabemos mais sobre o vírus do que sabíamos há 13 semanas", a altura em que garante que tinha feito essa previsão otimista.

Hoje, os EUA contam com 130 mil casos e mais de 2.300 mortes pelo covid-19.

Cloroquina nos hospitais

O Presidente tem uma grande esperança na utilização, aprovada este domingo pelo regulador do setor de medicamentos dos EUA (FDA), da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento dos doentes infetados pelo coronavírus.

"Há boas chances que isto possa ter um enorme impacto. Era uma prenda dos céus se isso funcionasse", disse Trump.

O seu conselheiro Anthony Fauci é menos otimista na utilização milagrosa desse medicamento, tendo-o feito saber há alguns dias durante uma conferência de imprensa com o Presidente. Para o especialista norte-americano  os números vão ser duros: a doença poderá provocar "entre 100.000 a 200.000 mortos nos EUA".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas