Escolha as suas informações

Covid-19. Casos de infeção no mundo superam os 189 milhões
Mundo 3 min. 18.07.2021
Covid-19

Covid-19. Casos de infeção no mundo superam os 189 milhões

Covid-19

Covid-19. Casos de infeção no mundo superam os 189 milhões

Foto: AFP
Mundo 3 min. 18.07.2021
Covid-19

Covid-19. Casos de infeção no mundo superam os 189 milhões

Lusa
Lusa
Os países que registaram mais mortes associadas à doença nas últimas 24 horas foram a Indonésia, o Brasil e a Rússia.

A pandemia do novo coronavírus ultrapassou os 189 milhões de casos de infeção a nível mundial, com o registo de mais de 463 mil novos contágios nas últimas 24 horas, revela hoje o balanço da France-Presse (AFP).

No total, e desde que o novo coronavírus (SARS-CoV-2) foi identificado na China em dezembro de 2019, mais de 189.911.110 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em todo o mundo.

A grande maioria dos pacientes recupera da doença covid-19, provocada pelo SARS-CoV-2, mas uma parte destas pessoas ainda relatam sentir alguns sintomas associados durante semanas ou mesmo até meses, segundo a agência noticiosa AFP.

Desde o início da crise sanitária, a covid-19 já provocou pelo menos 4.086.242 vítimas mortais no mundo, de acordo com o mesmo balanço da agência francesa.

Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 7.253 óbitos associados à doença e 463.309 novos casos de infeção.

Os países que registaram mais mortes nas últimas 24 horas foram, e de acordo com os respetivos balanços nacionais, a Indonésia com 1.093 óbitos, o Brasil (868) e a Rússia (764).


Portugal. Ordem dos Médicos defende medidas alternativas ao confinamento
Ordem defende testes rápidos de antigénio para várias atividades, nomeadamente casamentos, batizados ou atividades culturais, desportivas.

Os Estados Unidos da América (EUA) continuam a ser o país mais afetado a nível global, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 608.898 mortes entre 34.069.082 casos recenseados, segundo a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.

Depois dos EUA, a lista dos países mais afetados pela crise pandémica em termos globais é composta pelo Brasil (541.266 mortos e 19.342.448 casos), pela Índia (413.609 mortos e 31.106.065 casos), pelo México (236.240 mortos e 2.654.699 casos) e pelo Peru (195.047 mortos e 2.092.125 casos).

Segundo a análise da AFP, o Peru surge novamente como o país (ou território) que conta atualmente com mais mortos em relação à sua população, com 592 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (311), Bósnia-Herzegovina (295), República Checa (283) e Macedónia do Norte (263).

Por regiões do mundo, a zona da América Latina e Caraíbas concentra atualmente os dados de mortalidade mais altos, ao totalizar até hoje às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) 1.328.964 mortes em 39.432.328 casos de infeção confirmados.

Segue-se a Europa (1.186.886 mortes e 56.338.922 casos), os Estados Unidos e o Canadá (635.390 mortes e 35.491.904 casos), a Ásia (621.694 mortes e 42.506.537 casos), a África (157.170 mortes e 6.201.887 casos), o Médio Oriente (154.935 mortes e 9.871.473 casos) e a Oceânia (1.203 mortes e 68.062 casos).

Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), excluindo as revisões realizadas posteriormente por certos organismos de estatística.

A OMS calcula, tendo em conta o excesso de mortalidade ligada direta e indiretamente à covid-19, que o balanço da pandemia poderá ser duas a três vezes superior ao registado oficialmente.

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou significativamente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número das infeções declaradas.

No entanto, uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos não são detetados.

Devido a correções feitas pelas autoridades ou a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exatamente aos dados publicados no dia anterior, segundo a agência noticiosa francesa.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas