Escolha as suas informações

Covid-19. Brasil ultrapassa as 50 mil mortes
Mundo 2 min. 22.06.2020

Covid-19. Brasil ultrapassa as 50 mil mortes

Paramédicos transportam uma mulher para uma ambulância na Favela Paraisopolis, em São Paulo.

Covid-19. Brasil ultrapassa as 50 mil mortes

Paramédicos transportam uma mulher para uma ambulância na Favela Paraisopolis, em São Paulo.
Foto: Caio Capicoré/G10 Favelas
Mundo 2 min. 22.06.2020

Covid-19. Brasil ultrapassa as 50 mil mortes

Lusa
Lusa
O estado brasileiro de São Paulo lidera em número de casos e mortes.

O Brasil registou nas últimas 24 horas 641 mortes por covid-19 e ultrapassou a fasquia dos 50 mil mortos devido ao novo coronavírus, indicou hoje o Ministério da Saúde brasileiro.

De acordo com o Governo brasileiros, há a registar no país um total de 50.617 mortos causados pela doença. Nas últimas 24 horas foram ainda registados 17.459 novos casos de covid-19 no Brasil, que chega a um total de 1.085.038 infeções.

Segundo as autoridades brasileiras, a letalidade da covid-19 no país é de 4,7%. O Ministério da Saúde informou também que 549.386 pessoas já recuperaram da doença e outras 485.035 diagnosticadas com o vírus continuam a ser acompanhadas.

O estado brasileiro de São Paulo, que lidera em número de casos e mortes provocadas pela covid-19, registou um total de 219.185 infeções e 12.588 óbitos. O estado do Rio de Janeiro, o segundo com mais casos da doença, registou 96.133 infeções e 8.875 óbitos.


Brasil é o terceiro país do mundo com mais mortes por covid-19, perto de 40 mil.
No maior cemitério da América Latina choram-se mortos até de noite
A covid-19 mudou a vida no maior cemitério da América Latina, em São Paulo, e atualmente há filas de espera das famílias para cumprir, mesmo que seja à noite, as cerimónias fúnebres. Reportagem da Agência Lusa no Brasil.

Apesar do número crescente de infeções, vários estados e cidades brasileiras iniciaram este mês o processo de reabertura gradual da economia, mas muitos já recuaram devido à expansão da covid-19. Políticos, personalidades e movimentos da sociedade civil lamentaram as mais de 50 mil mortes causadas desde o início da pandemia.

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, demitido pelo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, expressou seu respeito pelas vítimas e disse que reza pelo país. "Cinquenta mil vidas perdidas. Meu respeito pelas vítimas. Meu nome expansivo, Brasil, rezo por você! Queria muito não alcançar essa marca", escreveu Mandetta na rede social Twitter.

Já o Presidente brasileiro optou por não comentar a marca de 50 mil mortes provocadas pela pandemia. Numa edição extra do Diário Oficial da União, o Governo brasileiro anunciou que prorrogou por 15 dias a restrição que impede a entrada de estrangeiros de qualquer nacionalidade no país devido à pandemia.

A restrição não se aplica a brasileiros, estrangeiros com residência no Brasil, estrangeiros casados com brasileiros ou que tenham filhos brasileiros, pessoas que trabalham em organismos internacionais ou a governos de outros países.


Bolsonaro diz que "milhões perderam empregos" por causa das indicações da OMS
Depois do presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado a saída da OMS, Bolsonaro já ameaçou fazer o mesmo com o Brasil.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 465 mil mortos e infetou mais de 8,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas