Escolha as suas informações

Covid-19. Alemanha volta a registar mais de 2.500 casos nas últimas 24 horas
Mundo 01.10.2020

Covid-19. Alemanha volta a registar mais de 2.500 casos nas últimas 24 horas

Covid-19. Alemanha volta a registar mais de 2.500 casos nas últimas 24 horas

Foto: AFP
Mundo 01.10.2020

Covid-19. Alemanha volta a registar mais de 2.500 casos nas últimas 24 horas

Lusa
Lusa
A Alemanha registou mais de 2.500 novas infeções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, após 1.798 casos na quarta-feira, segundo dados fornecidos pelo Instituto Robert Koch (RKI) de virologia divulgados esta quinta-feira.

As autoridades de saúde da Alemanha registaram 2.503 novas infeções nas últimas 24 horas. No sábado passado, os números atingiram um novo máximo, com 2.507 casos desde o final de abril.

O número total de casos positivos desde o anúncio do primeiro contágio no país, no final de janeiro, é de 291.722, com 9.500 mortes, mais doze nas últimas 24 horas. Cerca de 257.900 pessoas já superaram a doença e o número de casos ativos da doença no país é de 24.300.

O pico de infeções foi registado entre o final de março e o início de abril, com mais de 6.000 novas infeções diárias. Os números começaram a cair e a partir do final de julho aumentaram novamente. O número de novas infeções também depende do número de exames realizados, que em abril foi notavelmente menor.


Restrições nas fronteiras. Luxemburgo reforça assistência consular
O chefe da diplomacia luxemburguesa qualifica de "discriminatórias", as restrições dos dois dos países vizinhos para evitar a propagação do novo coronavírus e já reforçou a assistência consular.

Esta semanna a Bélgica e a Alemanha voltaram a impor restrições à entrada dos residentes do Luxemburgo nos dois países, devido ao aumento de novas infeções de covid-19 no Grão-Ducado. Algo que o executivo luxemburguês considerou de "discriminatório". 

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas