Escolha as suas informações

Coreia do Norte regista quase 1,5 milhões de casos de covid-19 em cinco dias
Mundo 2 min. 17.05.2022
Pandemia

Coreia do Norte regista quase 1,5 milhões de casos de covid-19 em cinco dias

O líder Kim Jong Un em visita a uma farmácia em Pyongyang.
Pandemia

Coreia do Norte regista quase 1,5 milhões de casos de covid-19 em cinco dias

O líder Kim Jong Un em visita a uma farmácia em Pyongyang.
FOTO: KCNA via KNS/AFP
Mundo 2 min. 17.05.2022
Pandemia

Coreia do Norte regista quase 1,5 milhões de casos de covid-19 em cinco dias

Lusa
Lusa
Desde que a Coreia do Norte admitiu o primeiro caso de covid-19, em 12 de maio, o país registou 56 mortes, sendo que mais de 819 mil pessoas recuperaram da doença.

A Coreia do Norte registou esta terça-feira seis novas mortes e atingiu mais de 1,48 milhões de casos de "febre", cinco dias após ter admitido o primeiro caso de covid-19, avançou a imprensa estatal.

Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana o país detetou mais 269.510 pessoas com "febre", sendo que atualmente estão em quarentena pelo menos 663.910 doentes com sintomas.

As forças armadas do país enviaram médicos para ajudar no transporte de medicamentos para farmácias na capital, Pyongyang, que passaram a ficar abertas 24 horas por dia.
As forças armadas do país enviaram médicos para ajudar no transporte de medicamentos para farmácias na capital, Pyongyang, que passaram a ficar abertas 24 horas por dia.
Foto: KCNA via KNS/AFP

Desde que a Coreia do Norte admitiu o primeiro caso de covid-19, em 12 de maio, o país registou 56 mortes, sendo que mais de 819 mil pessoas recuperaram da doença.

A KCNA disse que quase 11 mil profissionais de saúde, incluindo professores e estudantes de medicina, foram destacados para realizar um "exame médico intensivo de todos os habitantes" e identificar infetados.


Coreia do Norte anuncia 21 novas mortes por covid-19 enquanto luta contra contágios
O país impôs um confinamento geral na quinta-feira, depois de confirmar as primeiras infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, desde o início da pandemia.

A agência disse que as forças armadas enviaram médicos para ajudar no transporte de medicamentos para farmácias na capital, Pyongyang, que passaram a ficar abertas 24 horas por dia.

As unidades do exército "expressaram sua vontade de transmitir os medicamentos preciosos, elixir da vida, associados ao grande amor de [o líder norte-coreano] Kim Jong Un pelo povo", referiu a KCNA.

Não foi revelado que tipo de medicamento está a ser administrados aos doentes. Mais de 1,3 milhões de pessoas, entre profissionais de saúde e trabalhadores de outras áreas, estão envolvidos na testagem, no tratamento de doentes e em ações de sensibilização da população para questões relacionadas com a higiene, disse no domingo a KCNA.

O jornal norte-coreano Rodong Sinmun publicou esta terça-feira vários artigos sobre hábitos a adotar no combate ao coronavírus e sobre a resposta à pandemia de outros países.

Os artigos mencionam vacinas e o Paxlovid, da farmacêutica Pfizer e já aprovado na China, embora sem referir que o medicamento antiviral oral foi desenvolvido nos EUA.


A Coreia do Norte fechou completamente as fronteira desde o início da pandemia, há mais de dois anos.
Coreia do Norte em confinamento após primeiro caso de covid-19 em mais de dois anos
O dirigente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, impôs um maior isolamento no país, devido ao primeiro caso de covid-19, desde o início da pandemia, há mais de dois anos, noticiou esta quinta-feira a imprensa oficial.

Mas o jornal, que cita a imprensa chinesa, insiste que os medicamentos são caros e podem ser menos eficazes contra as novas variantes da covid-19 e que fortes restrições pandémicas continuarão a ser necessárias.

OMS teme que vírus "se espalhe rapidamente entre as massas"

A imprensa estatal da Coreia do Norte lançou campanhas públicas para promover a saúde e a higiene, incluindo encorajar os habitantes a trocar de máscaras com frequência e a manter pelo menos um metro de distância de outras pessoas, mesmo no interior de casa.

"Como o país ainda não iniciou a vacinação contra a covid-19, existe o risco de que o vírus se espalhe rapidamente entre as massas, a menos que seja reduzido com medidas imediatas e apropriadas", disse Poonam Khetrapal Singh, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Sudeste Asiático.

Num comunicado, o especialista disse que a OMS está pronta para fornecer à Coreia do Norte medicamentos essenciais, materiais médicos e apoio técnico para aumentar a testagem.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O líder Kim Jong Un e outros altos funcionários da Coreia do Norte discutiram este domingo um possível levantamento das medidas implementadas para conter o primeiro surto confirmado de covid-19 no país, avançou a imprensa estatal norte-coreana.
A Coreia do Norte já registou, desde o final de abril, cerca de 3,4 milhões de casos desde que o país confirmou oficialmente, em 12 de maio, a presença do SARS-CoV-2.