Escolha as suas informações

Coreia do Norte pondera relaxar medidas anti-covid
Mundo 2 min. 29.05.2022
Pandemia

Coreia do Norte pondera relaxar medidas anti-covid

A Coreia do Norte já registou, desde o final de abril, cerca de 3,4 milhões de casos desde que o país confirmou oficialmente, em 12 de maio, a presença do SARS-CoV-2.
Pandemia

Coreia do Norte pondera relaxar medidas anti-covid

A Coreia do Norte já registou, desde o final de abril, cerca de 3,4 milhões de casos desde que o país confirmou oficialmente, em 12 de maio, a presença do SARS-CoV-2.
Foto: AFP
Mundo 2 min. 29.05.2022
Pandemia

Coreia do Norte pondera relaxar medidas anti-covid

Lusa
Lusa
O líder Kim Jong Un e outros altos funcionários da Coreia do Norte discutiram este domingo um possível levantamento das medidas implementadas para conter o primeiro surto confirmado de covid-19 no país, avançou a imprensa estatal norte-coreana.

A discussão na reunião do órgão político mais poderoso da Coreia do Norte sugere que Kim poderá em breve relaxar um conjunto de restrições, sobretudo devido à preocupação com a situação alimentar e económica do país.

Kim e outros membros do Politburo do Comité Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte “fizeram uma avaliação positiva da situação da pandemia que está a ser controlada e melhorada em todo o país”, disse a agência oficial de notícias norte-coreana.


A Coreia do Norte já registou, desde o final de abril, cerca de 3,36 milhões de casos de pessoas com "febre".
Novos casos diários de covid-19 caem para menos de 100 mil, diz Coreia do Norte
A Coreia do Norte registou menos de 100 mil novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, pela primeira vez desde que o país confirmou oficialmente, em 12 de maio, a presença do SARS-CoV-2, avançou a imprensa estatal.

Segundo a KCNA, os membros do Politburo “discutiram a questão de coordenar e aplicar de forma eficaz e rápida os regulamentos e diretrizes anti-pandémicos, dada a atual situação estável”, disse a KCNA.

A Coreia do Norte anunciou este domingo ter registado nas últimas 24 horas cerca de 89.500 novos casos de pessoas com "febre" (um termo usado pelo regime para casos suspeitos, devido à falta de capacidade de teste).

O país já registou, desde o final de abril, cerca de 3,4 milhões de casos desde que confirmou oficialmente, em 12 de maio, a presença do SARS-CoV-2.

Os números que foram publicados apontam para uma propagação surpreendentemente rápida do novo coronavírus (13,6% da população nacional já teria sido infetada) e uma mortalidade invulgarmente baixa num país que não tem vacinas: apenas 69 mortes.

No sábado, a KCNA elogiou a resposta das autoridades ao novo coronavírus, que inclui confinamentos em municípios e centros de trabalho.


As forças armadas do país enviaram médicos para ajudar no transporte de medicamentos para farmácias na capital, Pyongyang, que passaram a ficar abertas 24 horas por dia.
OMS pede à Coreia do Norte mais dados sobre primeiro surto no país
A Organização Mundial de Saúde (OMS) manifestou hoje a sua preocupação com o primeiro surto de covid-19 na Coreia do Norte e exortou Pyongyang a fornecer informações completas sobre a extensão da crise e a aceitar ajuda.

No entanto, imagens obtidas por satélite ou captadas a partir das fronteiras com a Coreia do Sul ou com a China sugerem que não houve confinamento e que os cidadãos teriam sido somente aconselhados a apenas sair de casa para trabalhar e quando fosse estritamente necessário.

Yang Un-chul, analista do Instituto Sejong, da Coreia do Sul, disse que as restrições devem ainda assim estar a causar um sério golpe à produção de carvão, à agricultura e a outros setores que requerem mão de obra de forma intensiva.

Porém, o analista disse que as dificuldades provavelmente não atingirão um nível que ameace a liderança norte-coreana, já que o surto de covid-19 e as restrições deram a Kim a oportunidade de aumentar o controlo sobre a população.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas