Escolha as suas informações

Consulado português faz porta a porta para descobrir portugueses na tragédia da Beira
Mundo 2 min. 23.03.2019

Consulado português faz porta a porta para descobrir portugueses na tragédia da Beira

Consulado português faz porta a porta para descobrir portugueses na tragédia da Beira

Foto: AFP
Mundo 2 min. 23.03.2019

Consulado português faz porta a porta para descobrir portugueses na tragédia da Beira

O secretário de Estado mostrou-se “confiante de que vai ser possível estabelecer contacto com todos os portugueses” que se encontram na cidade da Beira, apesar de reconhecer que se trata de um levantamento “difícil pois muitos dos cidadãos deixaram as suas casas e estão em casa de amigos, familiares, vizinhos ou residenciais e hotéis”.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas afirmou hoje que o Consulado da Beira está a envidar todos os esforços para contactar com os portugueses afetados pela passagem do ciclone Idai, indo “de porta a porta” recolher informações.

“Neste momento não consigo fazer balanço definitivo, mas posso dizer que nestes últimos três dias e, que continua, o cônsul geral e um funcionário do consulado, em articulação com o chefe de ligação do Ministério da Administração Interna estão a fazer, literalmente, de porta a porta esse reconhecimento”, disse José Luís Carneiro, em entrevista telefónica à agência Lusa.

O secretário de Estado mostrou-se “confiante de que vai ser possível estabelecer contacto com todos os portugueses” que se encontram na cidade da Beira, apesar de reconhecer que se trata de um levantamento “difícil pois muitos dos cidadãos deixaram as suas casas e estão em casa de amigos, familiares, vizinhos ou residenciais e hotéis”.


An aid worker writes down the names of a woman and a child after they arrived on a fishing vessel at the port in Beira, on March 22, 2019. - Members of the Indian Navy together with aid workers has set up a triage and medical centre at the port in Beira to help people who have been displaced in Buzi, as a result of Tropical Cyclone Idai. Aid workers faced disarray, a clamour for help and mounting anger on March 22 as they headed out across central Mozambique, struggling to help tens of thousands of people battered by one of southern Africa's most powerful storms. A week after Tropical Cyclone Idai lashed Mozambique with winds of nearly 200 kilometres (120 miles) per hour, rescue efforts rose a gear but the situation was often chaotic. (Photo by WIKUS DE WET / AFP)
Governo luxemburguês contribui com 250 mil euros para ajuda a Moçambique
O Luxemburgo aprovou um pacote de ajuda humanitária em resposta à devastação causada pelo ciclone Idai.

José Luís Carneiro adiantou ainda à Lusa que o dia de hoje já trouxe “informações positivas para o funcionamento dos serviços consulares”, anunciando que já foi garantida a energia elétrica em parte do consulado, nomeadamente, aquela que estava ocupada para funções do Instituto Camões.

“É muito importante a reposição da energia elétrica porque vai permitir acolher várias equipas que se vão especializar no serviço de apoio à comunidade portuguesa”, frisou o governante, acrescentando que foi, igualmente, possível repor as vias telefónicas e a Internet no edifício.

O responsável adiantou que a linha telefónica disponível no consulado “pode ser agora utilizada por quem precise”, acrescentando que o consulado já teve a visita de dois empreiteiros portugueses para avaliar os estragos no edifício e que já há material para repor o telhado.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas encontra-se na cidade da Beira desde a passada quarta-feira, dia 20 de março.

O balanço provisório da passagem do ciclone Idai em Moçambique voltou hoje a aumentar, subindo para 417 mortos.

A cidade da Beira, no centro litoral de Moçambique, foi uma das mais afetadas pelo ciclone, na noite de 14 de março.


Idai deixou quase 1300 quilómetros quadrados inundados em Moçambique
O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas "estão em situação de risco".

Mais de uma semana depois da tempestade, milhares de pessoas continuam à espera de socorro em áreas atingidas por ventos superiores a 170 quilómetros por hora, chuvas fortes e cheias, que deixaram um rasto de destruição em cidades, aldeias e campos agrícolas.

Portugal é um dos países que enviaram técnicos e ajuda para Moçambique, com dois C-130 da Força Aérea e dois aviões comerciais fretados pelo Governo e pela Cruz Vermelha Portuguesa.


Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas