Escolha as suas informações

Comissário europeu visita fabricantes de vacinas para acelerar produção na UE
Mundo 2 min. 13.02.2021

Comissário europeu visita fabricantes de vacinas para acelerar produção na UE

Comissário europeu visita fabricantes de vacinas para acelerar produção na UE

Foto: AFP
Mundo 2 min. 13.02.2021

Comissário europeu visita fabricantes de vacinas para acelerar produção na UE

Lusa
Lusa
Depois de algumas farmacêuticas (como a AstraZeneca) terem informado Bruxelas de que irão entregar menos doses do que as acordadas para o primeiro trimestre de 2021, foi criado um grupo para tentar resolver a atual incapacidade de produção.

O comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, vai visitar fabricantes de vacinas contra a covid-19 para tentar acelerar o processo de vacinação na União Europeia (UE), que está a ser marcado por atrasos nas entregas aos Estados-membros.

Depois de uma primeira visita na passada quarta-feira à unidade de produção de vacinas contra a covid-19 da Thermo Fisher Scientific (subcontratante da AstraZeneca) na Bélgica, Thierry Breton irá “visitar outras fábricas nas próximas semanas”, disse à agência Lusa fonte do gabinete do comissário europeu.

“O objetivo é permitir aos fabricantes assinalar quaisquer eventuais dificuldades com a produção, nas quebras na cadeia de abastecimento e na disponibilidade de matérias-primas e tentar ajudar a resolver estes problemas”, refere a mesma fonte, numa alusão ao facto de estas vacinas serem compostas por várias componentes.

Estas ações presenciais de Thierry Breton, que conhece bem a indústria por ter já sido presidente executivo de várias empresas em França, surgem por o comissário europeu francês ter sido nomeado como líder de um grupo de trabalho sobre a produção de vacinas contra a covid-19, numa altura de grande tensão entre Bruxelas e as farmacêuticas.


Centro de Vacinação em Esch-Belval abre segunda-feira
O procedimento e horário de abertura são os mesmos aplicados ao centro de vacinação no Hall Victor Hugo.

Depois de algumas farmacêuticas (como a AstraZeneca) terem informado a instituição de que irão entregar menos doses do que as acordadas para o primeiro trimestre de 2021, Bruxelas criou então este grupo para tentar resolver a atual capacidade insuficiente de produção para os 27 Estados-membros, o que já levou a atrasos na distribuição.

“A ‘task force’ reunirá empresas ao longo da cadeia de abastecimento para identificar e resolver coletivamente as dificuldades. Irá também fornecer apoio operacional às empresas com quaisquer questões relativas à produção industrial”, explicou a fonte do gabinete de Breton à Lusa.

Será, ainda, estabelecido um “programa de preparação, cujo objetivo é desenvolver e produzir as vacinas para combater as novas variantes do vírus”, adianta.

Questionado pela Lusa se um dos objetivos do grupo de trabalho é encontrar novos locais de produção no espaço comunitário, a fonte observou que “uma das formas mais rápidas de aumentar a produção é, de facto, envolver as instalações da UE que têm capacidades relevantes disponíveis”.

Para tal, existem já “empresas em contacto com outras para as ajudarem na produção”, exemplificou a fonte, numa alusão ao anúncio feito por exemplo pela farmacêutica Sanofi, que vai produzir 125 milhões de doses da vacina da Pfizer e da BioNTech.

“A Comissão está a encorajar, e facilitará, se necessário, este tipo de acordos”, adiantou.

A UE tem uma carteira de oito vacinas contra a covid-19, que além das já aprovadas e em uso (Pfizer e BioNTech, Moderna e AstraZeneca), inclui as da Sanofi-GSK, Janssen Pharmaceutica NV e CureVac, para as quais já foram formalizados contratos de aquisição, e as da Novavax e Valneva, para as quais foram apenas concluídas conversações exploratórias.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.368.493 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,7 milhões de casos de infeção.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

UE adquire mais 100 milhões doses da vacina da Pfizer-BioNTech
Bruxelas havia adquirido 200 milhões de doses desta vacina, que contava que fossem administradas até setembro de 2021, tendo agora decidido reservar mais 100 milhões de doses, mesmo contando dispor muito em breve de outras vacinas contra a covid-19, dado ter uma ampla carteira de potenciais vacinas.