Escolha as suas informações

Comissão Europeia autoriza uso da vacina da Moderna na UE
Mundo 2 min. 06.01.2021 Do nosso arquivo online

Comissão Europeia autoriza uso da vacina da Moderna na UE

Comissão Europeia autoriza uso da vacina da Moderna na UE

AFP
Mundo 2 min. 06.01.2021 Do nosso arquivo online

Comissão Europeia autoriza uso da vacina da Moderna na UE

Lusa
Lusa
Também hoje, a EMA deu ‘luz verde’ à utilização da vacina da farmacêutica Moderna contra a covid-19 na UE.

A Comissão Europeia autorizou hoje a comercialização da vacina da Moderna para a covid-19 na União Europeia (UE), após o aval do regulador europeu àquele que é o segundo fármaco contra o novo coronavírus permitido no espaço comunitário.

“Hoje, a Comissão Europeia concedeu uma autorização condicional de comercialização para a vacina da covid-19 desenvolvida pela Moderna, a segunda na UE”, informa o executivo comunitário em comunicado.

A instituição precisa que esta autorização, o último passo formal antes da entrada do fármaco da Moderna no espaço comunitário, “segue uma recomendação científica positiva baseada numa avaliação exaustiva da segurança, eficácia e qualidade da vacina pela Agência Europeia do Medicamento [EMA] e é aprovada pelos Estados-membros”.

Também hoje, a EMA deu ‘luz verde’ à utilização da vacina da farmacêutica Moderna contra a covid-19 na UE, ao ter recomendando à Comissão Europeia “a concessão de uma autorização condicional de comercialização da vacina covid-19 Moderna para prevenir a doença do coronavírus 2019 em pessoas a partir dos 18 anos de idade”.


Vacina da Moderna aprovada pela Agência Europeia
A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu hoje “luz verde” à utilização da vacina da farmacêutica Moderna contra a covid-19 na União Europeia (UE), a segunda aprovada pelo regulador europeu.

Esta aprovação surge depois de o comité de medicamentos para uso humano da EMA ter “avaliado exaustivamente os dados sobre a qualidade, segurança e eficácia da vacina e ter recomendado por consenso a concessão de uma autorização formal condicional de comercialização pela Comissão Europeia”, adiantou o regulador comunitário na nota de imprensa.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, foi a segunda a ter aval da EMA, após a aprovação, a 21 de dezembro de 2020, do fármaco desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, que está a ser utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

Um amplo ensaio clínico promovido pela Moderna, envolvendo 30 mil pessoas, revelou que a vacina desta farmacêutica norte-americana foi eficaz na prevenção da covid-19 em pessoas com mais de 18 anos, com uma eficácia geral de 94,1% e de 90,9% nos casos graves.

Tal como a vacina da Pfizer e BioNTech, a da Moderna é administrada por duas injeções no braço separadas no tempo, tendo neste caso 28 dias de intervalo.

A vacina Moderna baseia-se no ARN de mensageiro (mRNA), tecnologia que assenta na produção de fragmentos inofensivos do vírus que o corpo humano utiliza para construir uma resposta imunitária para prevenir ou combater a doença.

Segundo o executivo comunitário, a Moderna vai disponibilizar à UE o montante total de 160 milhões de doses da vacina entre o primeiro e o terceiro trimestres de 2021, como anteriormente acordado entre Bruxelas e a farmacêutica.

A estes acrescem 300 milhões de doses da vacina distribuída pela Pfizer e BioNTech.

A Comissão Europeia já tem uma carteira com seis outras potenciais vacinas, que além destas duas incluem as desenvolvidas pela AstraZeneca, Sanofi-GSK, Johnson & Johnson e CureVac.

Até ao momento, apenas a Moderna e a Pfizer e BioNTech pediram autorização à EMA.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Bruxelas havia adquirido 200 milhões de doses desta vacina, que contava que fossem administradas até setembro de 2021, tendo agora decidido reservar mais 100 milhões de doses, mesmo contando dispor muito em breve de outras vacinas contra a covid-19, dado ter uma ampla carteira de potenciais vacinas.