Escolha as suas informações

Coletes amarelos. Manifestante perde a mão direita por causa de uma granada
Mundo 2 min. 09.02.2019

Coletes amarelos. Manifestante perde a mão direita por causa de uma granada

Coletes amarelos. Manifestante perde a mão direita por causa de uma granada

Foto: AFP
Mundo 2 min. 09.02.2019

Coletes amarelos. Manifestante perde a mão direita por causa de uma granada

Ferido com gravidade foi assistido no local e transportado ao hospital.

Mais de 12 mil coletes amarelos voltaram hoje a manifestar-se em Paris, o 13.º protesto deste movimento de contestação francês, desfilando pelos Campos Elísios por entre forte dispositivo policial. Um dos manifestantes perdeu a mão direita por causa de uma granada, foi assistido no local e transportado ao hospital, segundo noticiou a imprensa francesa.

O incidente com o manifestante, noticiado pela agência France-Presse, que cita fontes dos serviços de emergência, ocorreu perto da Assembleia Nacional, no centro da capital francesa, onde a tensão aumentou com manifestantes a incendiarem caixotes de lixo e a lançarem pedras contra a polícia e esta a responder com granadas de gás lacrimogéneo.

Segundo fonte policial, citada pela BFM TV, o incidente deu-se quando o manifestante, que não envergava um colete amarelo, apanhou uma granada de gás lacrimogéneo lançada pela polícia para a reenviar na direção dos agentes, mas não conseguiu fazê-lo antes de ela explodir.

O mesmo canal cita em contrapartida uma testemunha que afirmou que a vítima era um "fotógrafo colete amarelo" e que foi atingido por uma granada lançada pela polícia.

"Quando os polícias quiseram dispersar as pessoas, uma granada foi lançada para junto da perna dele e ele quis afastá-la com a mão para que não lhe atingisse a perna, mas quando lhe tocou ela explodiu", relatou a testemunha, Cyprien Royer, que filmou a cena.

Após a tensão junto da Assembleia Nacional, a situação acalmou e o cortejo seguiu para o Senado, outro dos pontos de passagem do percurso habitual, que termina junto à Torre Eiffel.

Os manifestantes reuniram-se na Place de l’Étoile, junto ao Arco do Triunfo, e começaram a marcha cerca das 12:00 locais, descendo a famosa avenida de Paris em direção à avenida Montaigne, por onde normalmente acedem à sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Quay d'Orsay) e outros edifícios oficiais.

O lusodescendente Jerôme Rodrigues, uma das caras do movimento que há duas semanas foi ferido com uma bala de borracha e corre o risco de vir a perder a visão do olho direito, estava hoje entre os manifestantes, segundo imagens da BFM TV.

De acordo com a imprensa francesa, Rodrigues e Eric Drouet, dois dos rostos mais conhecidos do movimento dos coletes amarelos, rejeitaram deixar anúncios de realização das manifestações em Paris, argumentando com aquilo que consideram ser "a extrema violência do Governo que usa a polícia para impor cada vez mais repressão, causando autênticas mutilações de guerra" a participantes nos protestos.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, afirmou à imprensa que, depois de quase três meses de protesto, o dispositivo das forças de segurança destacadas “se mantém significativo”.

Tal como em protestos anteriores, estão convocadas para hoje manifestações por toda a França.

A capacidade de mobilização do movimento dos ‘coletes amarelos’ diminui nos últimos sábados, com 58.600 manifestantes em todo o país, segundo números do Ministério do Interior, contestados pelo movimento que assegura ter reunido nesse dia 116 mil pessoas.

A primeira manifestação, a 17 de novembro, juntou 282 mil pessoas.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Coletes amarelos. Confrontos ao fim da tarde em Paris
No final da tarde, as forças de segurança contavam perto de dois mil manifestantes em Paris e houve lançamento de gás lacrimogéneo. Cerca de três centenas bloquearam um acesso à autoestrada em Boulou, perto da fronteira entre França e Espanha.
Coletes amarelos: Pelo menos 354 detidos em Paris (act.)
Pelo menos 354 pessoas foram hoje detidas para interrogatório em Paris, algumas mesmo antes do início da manifestação dos "coletes amarelos", segundo a SIC Notícias que está na capital francesa. Mais de 500 pessoas foram identificadas.