Escolha as suas informações

Coletes Amarelos. Artista luxemburguesa opõe os seios aos polícias franceses
Mundo 9 2 min. 15.12.2018

Coletes Amarelos. Artista luxemburguesa opõe os seios aos polícias franceses

Coletes Amarelos. Artista luxemburguesa opõe os seios aos polícias franceses

Foto: AFP
Mundo 9 2 min. 15.12.2018

Coletes Amarelos. Artista luxemburguesa opõe os seios aos polícias franceses

Déborah de Robertis fez uma ação simbólica durante a manifestação dos coletes amarelos. Um grupo de mulheres vestidas com capas vermelhas e de seios à vista opuseram-se à polícia de choque francesa em Paris, nos Campos Elísios.

Mulheres de capas vermelhas a cobrirem o corpo juntaram-se aos coletes amarelos numa manifestação simbólica no início do "ato V" das manifestações dos coletes amarelos. 

Sob o comando da artista luxemburguesa Déborah Robertis cinco mulheres de capa vermelha fizeram um "happening" simbólico: chegaram aos Campos Elísios vestidas de Marianne, o símbolo da República, e  numa formação em V, reproduzindo uma expressão de liberdade, baseada no célebre quadro Victoire  de Delacroix .

As mulheres ficaram em silêncio em frente à polícia durante vários minutos.


O número de ‘coletes amarelos’ presente nos Campos Elísios, em França, diminuiu hoje em relação aos sábados passados, embora os manifestantes assegurem que não vão desistir e que vão tornar a Ópera e a Praça da República nos novos pontos de protesto.

"Somos exatamente os mesmos, simplesmente há menos pessoas nos Campos Elísios porque temos previstos protestos na Ópera, com um protesto sentado à frente do edifício, e na Praça da República", disse Muriel, “colete amarelo” vinda dos arredores de Paris, em declarações à agência Lusa, nos Campos Elísios.

Em frente à Ópera Garnier, os manifestantes optaram por um protesto estático, sentando-se nas escadas do edifício ou mesmo deitando-se na escadaria.

Ao contrário do sábado passado, grandes armazéns como as Galerias Lafayette e o Printemps, nas imediações da Ópera, decidiram estar abertos.

Com as temperaturas próximas dos zero graus e depois de uma semana de apelos contra a manifestação na capital francesa, apenas cerca de 1.000 coletes amarelos vieram à capital parisiense e o ambiente é mais ameno entre manifestantes e polícia, constatou a Lusa no local.

Apesar de os controlos policiais se manterem espalhados um pouco por toda a cidade, há também menos pessoas identificadas em comparação com a semana passada, cerca de 50 comparadas com quase 600 à mesma hora de sábado passado.

Tal como já vai sendo tradição, os “coletes amarelos” concentraram-se hoje esta manhã junto ao Arco do Triunfo e foram descendo a avenida em protesto. A polícia agiu rapidamente e acabou por cercar os manifestantes com carrinhas e fileiras de agentes policiais, embora não tenha havido, até agora, qualquer confronto direto, nem lançamento de granadas de gás lacrimogéneo.

Stephane, um dos manifestantes “colete amarelo”, tem vindo todos os sábados de Lille, no Norte de França, para se manifestar nos Campos Elísios.

"Venho todos os sábados e não vejo a minha família, mas não há nada a fazer. E a fatiga começa a ser enorme, mas não vamos desistir", disse.

Este “colete amarelo” decidiu vir a Paris mesmo depois dos apelos das autoridades para não o fazer devido ao recente ataque em Estrasburgo.

"Os atentados não me fazem medo. Não é isso que me faz recuar nas minhas convicções. Eu estou chocado com o que se passou, mas está fora de questão travar este movimento", acrescentou.

Há cerca de 230 pontos de protesto de coletes amarelos em França, entre manifestações e bloqueios de estradas, com milhares de polícias destacados para manter a segurança.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Cerca de 31 mil 'coletes amarelos' protestam em França
Segundo dados divulgado pelo governo francês, cerca de 31 mil 'coletes amarelos' manifestavam-se hoje a meio do dia em toda a França no quarto grande dia de protestos. Já houve mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris.
"Coletes amarelos" não desistem e falam em "guerra civil"
Os confrontos entre “coletes amarelos” e a polícia começaram hoje cedo junto ao Arco do Triunfo, em Paris, com utilização de gás lacrimogéneo e canhões de água, mas os manifestantes dizem que, se for necessário, voltarão no próximo sábado.