Escolha as suas informações

Clima. Greta falha COP26 se acesso às vacinas da covid-19 se mantiver desigual
Mundo 09.04.2021

Clima. Greta falha COP26 se acesso às vacinas da covid-19 se mantiver desigual

Clima. Greta falha COP26 se acesso às vacinas da covid-19 se mantiver desigual

Foto: AFP
Mundo 09.04.2021

Clima. Greta falha COP26 se acesso às vacinas da covid-19 se mantiver desigual

A ativista apelou aos países ricos para partilharem as suas doses com as populações em risco nos países pobres "em vez de vacinarem os jovens saudáveis".

Greta Thunberg é a grande ausência da conferência climática, COP26, que em Glasgow, em novembro.

A ativista sueca afirmou que não vai participar no evento, em protesto contra o acesso desigual às vacinas para a covid-19, entre países ricos e pobres. "Devido à distribuição extremamente injusta de vacinas, não irei à conferência COP26 se a situação continuar como está hoje", disse esta sexta-feira à AFP. 

Greta apelou ao governo britânico para adiar novamente a COP26, que já foi adiada uma vez devido à situação sanitária, se as desigualdades nas vacinas entre países não permitirem um acesso igual para os participantes e ativistas. 

 A figura que impulsionou o movimento das greves climáticas estudantis apelou aos países ricos para partilharem as suas doses com as populações em risco nos países pobres "em vez de vacinarem os jovens saudáveis". "Se isso não for possível, sugiro que adiemos (COP26) para que todos possam comparecer nos mesmos termos", afirmou, acrescentando que a desigualdade face à crise climática é "tão gritante" que se houvesse a conferência na data definida só se "aprofundaria esse aspeto" se a COP26 fosse realizada nessa data, argumentou ela.

A confirmar-se a ausência de Greta Thunberg, que defende objetivos imediatos e rápidos de redução das emissões de gases com efeito de estufa em vez de horizontes de dez ou trinta anos, será um revés para o evento. 

Mas a decisão  não é definitiva e a jovem não exclui voltar atrás se houverv melhorias para reduzir essa desigualdade.

"Claro que adoraria estar na COP26, mas apenas se todos estiverem em pé de igualdade", reiterou.

 A Organização Mundial de Saúde (OMS) tem alertado repetidamente para os riscos sanitários colocados pelas diferentes taxas de vacinação entre países ricos e pobres, apelando a uma redução do "nacionalismo vacinal".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Injeção de nacionalismo ou presente no sapatinho
A geopolítica das vacinas da covid-19 tem de vir acompanhada de uma discussão sobre ética: os países ricos já encomendaram tantas vacinas quanto a população do planeta, o que nos obriga a perguntar – e os países pobres? Uma crónica de Raquel Ribeiro