Escolha as suas informações

Cinco rinocerontes-negros provenientes da Europa chegam ao Ruanda
Mundo 2 min. 24.06.2019

Cinco rinocerontes-negros provenientes da Europa chegam ao Ruanda

Cinco rinocerontes-negros provenientes da Europa chegam ao Ruanda

Mundo 2 min. 24.06.2019

Cinco rinocerontes-negros provenientes da Europa chegam ao Ruanda

Esta é a maior transferência da história de rinocerontes europeus para África.

Cinco rinocerontes-negros chegaram esta segunda-feira, oriundos da República Checa, ao Ruanda, país onde foram extintos há 12 anos e onde as autoridades locais tentam repovoar a espécie.

Em declarações a agência EFE, Belice Kariza, chefe de Turismo do Conselho de Desenvolvimento do Ruanda, entidade responsável por este projeto de repovoação, disse que "os cinco rinocerontes são uma grande conquista para a agenda da conservação no Ruanda".

"Estamos orgulhosos em saber que o mundo confia em nós na matéria de conservação", acrescenta. Kariza disse que os animais chegaram de madrugada ao aeroporto de Kigali e foram encaminhados para o Parque Natural de Akagera (este do país).


Espécies de anfíbios em risco de extinção são mais do que se julgava
Cerca de 3.000 espécies de anfíbios podem estar em risco de extinção, segundo uma investigação divulgada esta segunda-feira.

Esta é a maior transferência da história de rinocerontes europeus para África, resultado da coordenação entre o Turismo do Conselho de Desenvolvimento do Ruanda e três zoológicos europeus - da República Checa e Dinamarca - com o objetivo de aumentar a presença desta espécie em risco de extinção.

Com a chegada dos cinco rinocerontes, o número destes mamíferos sobe para 25 no parque de Akagera, local onde existiam mais de 50 rinocerontes nos anos 1970, que desapareceram em 2007 devido a caça furtiva indiscriminada.

Citada pela EFE, a diretora geral do Turismo do Conselho de Desenvolvimento do Ruanda, Clare Akamanzi, disse que hoje em dia a caça furtiva “já não existe nos quatro parques naturais” do Ruanda, manifestando a esperança de que “estes rinocerontes vão prosperar no seu habitat natural".

Os cinco rinocerontes selecionados - apelidados de Jasiri, Jasmína, Manny, Olmoti e Mandela, foram colocados no mesmo espaço desde 2018 no parque Checo Dvur Kralove para se adaptarem a uma vida em comum.

Desde maio de 2017, o Ruanda luta por repovoar os seus parques com as espécies conhecidas como "Big 5"(os cinco grandes): leão, elefante, búfalo, rinoceronte e leopardo, com o objetivo de ter mais atrações turísticas nos seus parques utilizados para realizar safaris.


Um milhão de espécies podem desaparecer do mundo se não mudarmos de comportamento
O uso da terra (agricultura, desflorestação), a exploração direta dos recursos (pesca, caça) e as alterações climáticas são três das principais causas que poderão levar à extinção de milhares de espécies, segundo um relatório das Nações Unidas, “muitas delas nas próximas décadas”.

Em 2017, a África do Sul recolocou 18 exemplares de rinocerontes negros orientais no Parque Nacional de Akagera, área de savana protegida.

Estima-se que a nível mundial exista apenas 700 rinocerontes desta subespécie em liberdade, quase 600 deles localizados no Quénia e menos de uma centena na Tanzânia.

Lusa