Escolha as suas informações

Cimeira sobre abusos no Vaticano será "ponto de viragem" para a Igreja

Cimeira sobre abusos no Vaticano será "ponto de viragem" para a Igreja

Foto: AFP
Mundo 2 min. 18.02.2019

Cimeira sobre abusos no Vaticano será "ponto de viragem" para a Igreja

A cimeira será precedida de uma reunião que a comissão organizadora irá manter com um grupo de uma dúzia de vítimas, entre os quais o espanhol Miguel Hurtado, que acusou o monge de Montserrat Andreu Soler.

O histórico encontro sobre os abusos a crianças cometidos pelo clero, que reunirá de 21 a 24 de fevereiro a hierarquia católica, será “um ponto de viragem” para o Vaticano, segundo a organização que apresentou esta segunda-feira o programa. Em conferência de imprensa, um membro da comissão organizadora do encontro, o arcebispo de Chicago (EUA), Blasé J. Cupich, disse que a reunião será "um momento crucial" e "um ponto de viragem" para a Igreja a tomar consciência da sua responsabilidade, mas acrescentando que não há necessidade de criar expectativas do que será alcançado, porque os abusos não terminarão em três dias.


Papa considera que os abusos sexuais são uma questão urgente para a Igreja
Francisco convocou os bispos para uma cimeira no Vaticano para o ajudar a traçar um rumo para a igreja relativamente a este tema, depois de décadas de abusos de padres e prelados e de ocultação dos casos pelos seus superiores.

Cupich disse que durante esses quatro dias vai ser debatida a questão da "responsabilidade dos bispos" e a "transparência". Por outro lado, explicou que, ao voltarem para casa, todos os participantes devem ter em conta que “estão perante uma encruzilhada”. O também membro da comissão organizadora e vice-secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, o maltês Charles Scicluna, sublinhou a necessidade de "quebrar o código de silêncio, cumplicidade e negação, porque a verdade é o que realmente conta".

O moderador da reunião e porta-voz do Vaticano, padre Lombardi, explicou que o encontro contará com a participação de cerca de 190 pessoas, incluindo 114 presidentes de conferências episcopais de todo o mundo, dez representantes de congregações homens e dez mulheres, chefes de vários dicastérios (ministérios do Vaticano) e especialistas.


Cardeal francês garante que nunca tentou encobrir caso de abuso sexual
O arcebispo de Lyon Philippe Barbarin é acusado de não ter denunciado agressões sexuais de um padre a um grupo de jovens escuteiros.

A cimeira será precedida de uma reunião que a comissão organizadora irá manter com um grupo de uma dúzia de vítimas, entre os quais o espanhol Miguel Hurtado, que acusou o monge de Montserrat Andreu Soler e o chileno Juan Cruz, entre outros. Algumas vítimas também participarão nas reuniões no Vaticano.

A reunião começará com alguns vídeos das reuniões que os presidentes das conferências episcopais tiveram com algumas vítimas durante estes dias, embora os dados de quantas participaram encontros não tenham sido fornecidos.

A cimeira começará na quinta-feira com algumas palavras do papa, seguindo-se palestras. À tarde, serão formados grupos de trabalho para analisar as experiências de cada cultura, país ou pessoal em casos de abuso infantil.

O papa Francisco disse hoje no Twitter que quer que a reunião sobre a proteção de menores na Igreja seja um "ato de forte responsabilidade pastoral perante um desafio urgente do nosso tempo". 

 O escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros da Igreja Católica foi um dos grandes desafios do papa em 2018. O abuso sexual contra crianças durante vários anos chegou a ser classificado pelo secretário do papa emérito Bento XVI como “o 11 de Setembro da Igreja Católica”, um momento apocalíptico com incontáveis vítimas.


Igreja Católica de Illinois escondeu nomes de 500 padres acusados de abusos
Procuradora-geral do Estado norte-americano denunciou o assunto num relatório.

No dia 12 de setembro, Francisco decidiu marcar uma cimeira sobre os abusos sexuais na Igreja, convocando os presidentes de todas as conferências episcopais. O anúncio foi feito no seguimento de um encontro do "C9", o grupo de cardeais que aconselha o papa sobre a reforma das estruturas da Igreja.

Lusa


Notícias relacionadas