Escolha as suas informações

China identifica novo vírus de origem animal
Mundo 2 min. 09.08.2022
Saúde

China identifica novo vírus de origem animal

Saúde

China identifica novo vírus de origem animal

Foto: Shameer Pk/Pixabay
Mundo 2 min. 09.08.2022
Saúde

China identifica novo vírus de origem animal

Lusa
Lusa
Está associado a sintomas como febre, cansaço, tosse, perda de apetite, dores de cabeça e musculares, e náuseas.

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Os casos, nenhum deles grave, foram encontrados em Shandong (leste) e Henan (centro), segundo o jornal oficial Global Times, que cita um artigo publicado por cientistas da China e Singapura no New England Journal of Medicine, uma das mais prestigiadas revistas médicas do mundo.

O vírus, para o qual atualmente não há vacinas ou tratamentos, foi detetado por meio de amostras recolhidas da garganta de pacientes que tiveram contacto recente com animais, e está associado a sintomas como febre, cansaço, tosse, perda de apetite, dores de cabeça e musculares, e náuseas.

Segundo o jornal, investigações posteriores revelaram que 26 dos 35 pacientes portadores deste henipavírus desenvolveram sintomas clínicos, aos quais se somam irritabilidade e vómitos.


Carros numa estrada inundada, nas cheias de julho passado em San Salvador, capital de El Salvador.
Riscos associados às alterações climáticas agravaram doenças infeciosas nos humanos
"Se o clima está a mudar, o risco destas doenças está a mudar", diz o coautor do estudo.

Morcego é um dos transmissores do vírus

De acordo com o portal de notícias estatal The Paper, o henipavírus é uma das principais causas emergentes do salto de doenças de animais para seres - humanos - um processo designado zoonose - na região da Ásia - Pacífico.

Aquele meio indicou que um dos vetores de transmissão do vírus é o morcego frugívoro, considerado hospedeiro natural de dois dos Henipavírus conhecidos: o vírus Hendra (HeV) e o vírus Nipah (NiV).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o vírus Hendra causa infeções em seres humanos, que variam entre assintomáticas e infeções respiratórias agudas e encefalites graves, com uma taxa de letalidade estimada entre 40 e 75 por cento, que “pode variar, dependendo das capacidades locais de pesquisa epidemiológica e gestão clínica”.

O Global Times lembrou que não está provado que haja casos de transmissão de pessoa para pessoa, embora estudos anteriores indiquem que este tipo de contágio não está descartado.

“O coronavírus não será a última doença contagiosa a causar uma pandemia, pois novas doenças terão um impacto crescente na vida quotidiana dos seres humanos”, disse o vice-diretor do Departamento de Patologias Infecciosas do Hospital Huashan, afiliado à Universidade de Fudan, em Xangai, citado pelo jornal.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Com o eventual encerramento das fronteiras na ordem do dia, o Luxemburgo não adopta nenhuma medida para controlar a propagação do vírus para evitar “alarmismos”. Num quadro de incertezas, a Organização Mundial de Saúde mantém que “o que é verdade hoje pode ser mentira amanhã” e recomenda hábitos de higiéne padrão.