Escolha as suas informações

China e Estados Unidos relançam negociações
Mundo 29.06.2019

China e Estados Unidos relançam negociações

China e Estados Unidos relançam negociações

Foto: AFP
Mundo 29.06.2019

China e Estados Unidos relançam negociações

Os presidentes chinês e norte-americano concordaram hoje em relançar as negociações económicas e comerciais para travar a guerra de tarifas entre as duas maiores potências mundiais.

 Os presidentes chinês e dos EUA concordaram hoje relançar as negociações económicas e comerciais para travar a guerra de tarifas entre as duas maiores potências mundiais, noticiou a agência de notícias oficial chinesa, Xinhua.

A Xinhua avançou ainda que os Estados Unidos comprometeram-se a trabalhar com base na igualdade e no respeito mútuo, a não imporem novas tarifas às exportações chinesas e que as respetivas equipas vão discutir "questões específicas", depois do fim abrupto das negociações em maio, em plena guerra comercial entre os dois países.

Xi Jinping e Donald Trump reuniram-se à margem da cimeira do G20 em Osaka, no Japão, na qual estão reunidos os líderes das maiores economias mundiais, durante a qual a guerra comercial entre os dois países tem sido um tema incontornável.

O Presidente dos Estados Unidos afirmou que a reunião entre os dois correra "muito bem" e que as negociações "estão de volta ao caminho certo".

Antes da reunião, Xi disse que, apesar das grandes mudanças que ocorreram na situação internacional e nas relações entre Pequim e Washington, durante os últimos 40 anos há "um fator básico que permanece inalterado: a China e os Estados Unidos beneficiam da cooperação e perdem no confronto".

"A cooperação e o diálogo são melhores do que atritos e confrontos", disse Xi a Trump.

Lusa


Notícias relacionadas

Estados Unidos acusam China de manipulação cambial
A acusação de “manipulador cambial” pode implicar sanções financeiras para a China. No entanto, o Banco Popular da China já respondeu, afirmando que a desvalorização da moeda não foi consequência de manipulação, mas da ação dos mercados.
Trump anuncia novas sanções contra a China e afunda mercados
Trump justificou a sua decisão acusando os dirigentes de Pequim de não terem cumprido duas promessas: compras massivas de produtos agrícolas aos EUA e paragem das vendas de fentanyl, um opiáceo muito forte que está a fazer estragos nos EUA do qual a China é um importante produtor.