Escolha as suas informações

Chefes de Estado da América do Sul vão lançar "apelo global" para proteger a Amazónia
Mundo 2 min. 05.09.2019

Chefes de Estado da América do Sul vão lançar "apelo global" para proteger a Amazónia

Chefes de Estado da América do Sul vão lançar "apelo global" para proteger a Amazónia

Foto: AFP
Mundo 2 min. 05.09.2019

Chefes de Estado da América do Sul vão lançar "apelo global" para proteger a Amazónia

O encontro vai decorrer esta sexta-feira e irá incluir "ações concretas" para que países que compõem a Amazónia, a América Latina e a comunidade internacional, protejam aquela que é a maior floresta tropical do mundo.

A reunião sobre a Amazónia, que juntará na sexta-feira pelo menos quatro países da América do Sul na Colômbia, apelará à comunidade internacional pela proteção daquele ecossistema afetado por incêndios e desflorestação, foi anunciado na quarta-feira.


Governo brasileiro assume que "cometeu erros" no combate às queimadas na Amazónia
O 'mea culpa' surge numa altura em que o Brasil enfrenta múltiplos focos de incêndio de grande dimensão na região da Amazónia.

"Será feito um grande apelo mundial pelo progresso a nível regional em matéria de conservação, desenvolvimento tecnológico e coordenação de ações para preservar a Amazónia", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, em conferência de imprensa, dois dias antes da reunião agendada para a cidade colombiana de Leticia, que faz fronteira com o Brasil em Tabatinga, no Estado do Amazonas.

O chefe da diplomacia colombiana afirmou que o encontro será denominado "Pacto de Letícia para a Amazónia", que incluirá "ações concretas" e uma lista de atos para que países que compõem a Amazónia, a América Latina e a comunidade internacional, protejam aquela que é a maior floresta tropical do mundo.

"Como resultado desta reunião, vamos impulsionar a ação, não apenas nacional, mas também regional e global para defender a Amazónia", declarou Trujillo.

Além dos Presidentes colombiano, Ivan Duque, e peruano, Martin Vizcarra, que convocaram a reunião, são esperados em Leticia o chefe de Estado do Equador, Lenin Moreno, e o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araujo, em representação do Presidente, Jair Bolsonaro, que não poderá viajar por motivos de saúde, e que participará na reunião por videoconferência.


Bolsonaro admite aceitar ajuda do G7 se Macron retirar "insultos"
O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, admitiu hoje aceitar dinheiro do G7 (que junta os países mais industrializados do mundo) para combater incêndios na Amazónia se o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, retirar aquilo que considerou como insultos.

A presença do mandatário da Bolívia, Evo Morales, ainda não foi confirmada.

Trujillo acrescentou que um dos objetivos do encontro é "unificar as visões" dos países amazónicos sobre como proteger essa região.

Bolsonaro foi fortemente criticado internacionalmente pela forma como o seu Governo geriu os incêndios na Amazónia, o que provocou uma crise ambiental e diplomática.

De janeiro até ao primeiro dia de setembro deste ano, o bioma (conjunto de ecossistemas) Amazónia acumulou 47.804 focos de incêndio apenas no Brasil, de acordo com o sistema de monitorização do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Agosto deste ano foi o pior mês para a Amazónia desde 2010, com o número de incêndios na região a triplicar em relação a agosto do ano passado, passando de 10.421 em 2018 para 30.901 em 2019.


Amazónia. Ministro Jean Asselborn critica presidente Bolsonaro
O ministro vai propor que o Luxemburgo suspenda o acordo com o Mercosur por causa das atitudes do Brasil face à floresta amazónica.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de cinco milhões e meio de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (território pertencente à França).

Lusa


Notícias relacionadas

Bruxelas apoia debate pedido por Macron sobre Amazónia
A Comissão Europeia mostrou-se esta sexta-feira “profundamente preocupada” com os incêndios na floresta da Amazónia, no Brasil, manifestando apoio ao pedido feito pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para debater esta situação, o que já motivou críticas do governo brasileiro.
Desflorestação da Amazónia brasileira quase quadruplica num ano
O INPE, instituto público responsável por medir a desflorestação, já havia assinalado um crescimento de 88% na desflorestação em junho, em relação ao mesmo mês em 2018, dados que foram publicamente contestados pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e levaram à demissão do presidente anterior da instituição Ricardo Galvão.