Escolha as suas informações

Chefe do Eurogrupo ameaça com mini-Schengen de seis países
Mundo 27.11.2015 Do nosso arquivo online
Luxemburgo incluído

Chefe do Eurogrupo ameaça com mini-Schengen de seis países

Luxemburgo incluído

Chefe do Eurogrupo ameaça com mini-Schengen de seis países

Foto: Anouk Antony
Mundo 27.11.2015 Do nosso arquivo online
Luxemburgo incluído

Chefe do Eurogrupo ameaça com mini-Schengen de seis países

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, ameaçou hoje os países da UE que não conseguem proteger as suas fronteiras do afluxo de refugiados e da ameaça terrorista com um "mini-Schengen" de seis países. O Luxemburgo faria parte do pequeno grupo.

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, ameaçou hoje os países da UE que não conseguem proteger as suas fronteiras do afluxo de refugiados e da ameaça terrorista com um "mini-Schengen" de seis países. O Luxemburgo faria parte desse pequeno grupo.

"Não poderemos manter a sustentabilidade do nosso Estado social se o afluxo de refugiados continuar. Se a União Europeia não protege melhor as suas fronteiras exteriores, então um pequeno grupo de países o fará", disse o presidente do grupo que reúne os ministros das Finanças da zona Euro, numa entrevista publicada hoje nos jornais belgas De Tijd e L'eco.

"Há países que estão agora a dizer: 'O problema é não nosso. É seu. Boa sorte'. Isso coloca a nossa solidariedade sob enorme pressão porque há outros países que estão a carregar um fardo mais pesado nesta crise migratória, recebendo a maioria dos refugiados", acrescentou Dijsselbloem, citando o Luxemburgo, Suécia, Alemanha, Áustria, Bélgica e a Holanda.

Muitos dos membros dos 26 países do espaço Schengen, sobretudo os mais pobres do Leste europeu, opõem-se ao plano da Comissão Europeia de redistribuição dos refugiados.

Depois de apontar o dedo à falta de solidariedade na UE, o também ministro das Finanças da Holanda mostrou-se "preocupado" e "pouco optimista" sobre a manutenção do espaço Schengen.

Jeroen Dijsselbloem pede mais solidariedade na protecção das fronteiras europeias
Jeroen Dijsselbloem pede mais solidariedade na protecção das fronteiras europeias
Foto: AFP



Notícias relacionadas

O Luxemburgo é o país da União Europeia que mais dinheiro gastou em questão relacionadas com a ordem pública e segurança, de acordo com dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat) referentes a 2015.
Três décadas passadas sobre a assinatura do Acordo de Schengen, que começou a abolir as fronteiras na União Europeia, o “principal desafio” é “que ele se aguente”, resume o investigador em migrações Rui Pena Pires.
Itw Robert Goebbels, Schengen, Foto Lex Kleren